Lepidopus caudatus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Peixe-espada)


Como ler uma infocaixa de taxonomiaLepidopus caudatus
Essaouira 150.JPG
Estado de conservação
DD [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Perciformes
Subordem: Scombroidei
Género: Lepidopus
Espécie: L. caudatus
Nome binomial
'Lepidopus caudatus'

Lepidopus caudatus[2], comummente conhecido como peixe-espada[3] ou peixe-espada-branco[4] (para melhor se distinguir do Aphanopus carbo, conhecido como peixe-espada-preto[5]), é uma espécie de peixe teleósteo da ordem dos perciformes, subordem dos escombrídeos, e família dos Lepidopídeos.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Gravura de Lepidouos caudatis na obra de Jonathan Couch (1877) History of the Fishes of the British Isles, 1877.

Este peixe caracteriza-se pelo corpo comprido e espalmado e pela proeminente crista que lhe assenta na nuca.[6] O ânus situa-se algures sob o 36.º a 40.º raio dorsal, sendo que o espinho posterior ao ânus é pequeno e de formato triangular.[4]

Na boca, apresenta dentes pontiagudos e grandes, dos quais, alguns são dentes palatinos.[6]

No que toca às barbatanas, conta com uma dorsal contínua, sem recorte, que separar a parte espinhosa da mole.[6] A barbatana caudal, por seu turno, é bastante grande. As barbatanas pélvicas, por sinal mais reduzidas[7], inserem-se sob o oitavo ou nono raio dorsal.

Conta com 98 a 110 raios dorsais, 2 espinhos anais, cerca de 59 a 66 raios anais e 105 a 114 vértebras.[8]

No que toca à sua coloração, tem um corpo uniformemente prateado, sem escamas, com a barbata dorsal em tons de cinzento escuro, particularmente no espécimes do Atlântico Norte, e margeado a negro nas membranas entre o 3.º e o 7.º ou 9.º raio dorsal, entre os espécimes do Hemisfério Sul.[6]

Em média, os peixes-espada medem entre 1 metro e 1,35 metros de comprimento[6], se bem que há registo da captura de espécimes com 2,10 metros de comprimento.[9] O peso máximo alguma vez registado para um peixe-espada-branca cifra-se nos 8 kg.[6]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Marca presença no Nordeste do Atlântico, desde França até ao Senegal, incluindo os arquipélagos dos Açores, da Madeira e das Canárias[6] e a orla do Mar Jónico.[10] Medra, ainda, junto à África do Sul, desde o Cabo Frio até ao Banco das Agulhas.[6] Também se pode encontrar no Índico Sul ao longo das coordenadas a 30 to 35°S, e junto à costa de Nova Gales do Sul, do Sudoeste australiano e da Nova Zelândia.[11]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie bentopelágica, que privilegia a plataforma continental, desde a superfície até 400 metros de profundidade.[6] Costuma frequentar leitos lamacentos e bancos de areia a profundidades na ordem dos 100 a 250 metros.[11] À noite migra para a zona pelágica da coluna de água.[11]

Comportamento e alimentação[editar | editar código-fonte]

Ilustração do livro Le règne animal distribué d'après son organisation, de Georges Cuvier (Tomo 8), 2ª ed., 1828, com a representação da espécie Lepidopus argyreus (hoje L. caudatus).

Trata-se de uma espécie de gregária, que se agrupa em cardumes.[6] Ocasionalmente, encontra-se junto à costa, impelida pelas correntes até à superfície.

Alimenta-se à base de crustáceos, lulas pequenas e peixes pequenos[12]. No Atlântico Oriental, privilegia o consumo das seguintes espécies: Euphausia hanseni Zimmer; Esox lucius; Pasiphaea semispinosa; Todaropsis eblanae; Engraulis capensis; Etrumeus terres; Sardinops ocellata; Maurolicus muelleri; Symbolophorus humbolti; Diaphus dumerili; Lampanyctodes hectoris; Chlorophthalmus sp. e Scomber japonicus.[6]

Os ovos e alevins desta espécie são pelágicos.[12]

Os espécimes do Atlântico Oriental, aos nove anos de idade, tendem a aproximar-se dos 1,25 metros, ao passo que os espécimes do Nordeste do Atlântico podem chegar aos 1,60 metros aos 13 anos.[6] Eclodem entre o final do Inverno e o princípio da Primavera, junto à costa norte-africana, ao passo que na costa neozelandesa, costumam eclodir na Primavera e no Outono.[6]

Pesca[editar | editar código-fonte]

Exemplares à venda num mercado da Sicília.

É uma espécie de particular importância para a pesca comercial do Noroeste Atlântico, especialmente para Portugal e para Marrocos.[6] Sendo que no hemisfério Sul, na Namíbia e na Nova Zelândia, também conhece particular expressividade no sector das pescas.[6]

É muito apreciada para o consumo humano.[6]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita pelo médico, botânico, zoólogo e explorador sueco Bengt Anders Euphrasén,[2] discípulo de Linneu, crismada com o nome Trichiurus caudatus.

Posteriormente foi incluída no género Lepidopus, criado em 1863 pelo botânico e ictiólogo francês Antoine Goüan.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome genérico, Lepidopus, provém da aglutinação dos étimos gregos antigos, λεπῐ́ς (lepis), que significa «escama», e πούς (pous), que significa «pé».[8]

O epíteto específico, caudatus, provém do nominativo singular masculino do adjectivo latino caudatis, -a -um, derivado do substantivo cauda, -ae, "cauda", por alusão à longa cauda deste peixe.[13]

Sinónimos[editar | editar código-fonte]

Além do basónimo Lepidopus caudatus, ao longo do tempo esta espécie também foi conhecida pelos seguintes sinónimo:[2]

  • Lepidopus argenteus Bonnaterre, 1788
  • Lepidopus gouanianus Lacepède, 1800
  • Lepidopus lex Phillipps, 1932
  • Lepidopus peronii Risso, 1810
  • Lepidopus xantusi Goode & Bean, 1896
  • Scarcina argyrea Rafinesque, 1810
  • Trichiurus caudatus Euphrasen, 1788 (basónimo)
  • Trichiurus ensiformis Vandelli, 1797
  • Trichiurus gladius Holten, 1802
  • Vandellius lusitanicus Shaw, 1803
  • Ziphotheca tetradens Montagu, 1811


Referências

  1. Iwamoto, T. (2015). «Lepidopus caudatus». The IUCN Red List of Threatened Species. 2015: e.T198721A42691759. doi:10.2305/IUCN.UK.2015-4.RLTS.T198721A42691759.en 
  2. a b c d Lepidopus caudatus (Euphrasen, 1788) no WoRMS,
  3. Infopédia. «peixe-espada | Definição ou significado de peixe-espada no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 16 de janeiro de 2022 
  4. a b Martins, Rogélia (2018). Manual de Identificação de Peixes Ósseos da Costa Continental Portuguesa – Principais Características Diagnosticantes (PDF). Lisboa: IPMA. p. 55. 204 páginas. ISBN 978-972-9083-19-8 
  5. «Aphanopus carbo». Museu Virtual Biodiversidade. Consultado em 16 de janeiro de 2022 
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p Nakamura, I. (2003). FAO SPECIES CATALOGUE - Vol.15. Snake mackerels and cutlassfishes of the world (Families Gempylidae and Trichiuridae) - An annotated and illustrated catalogue of the snake mackerels, snoeks, escolars, gemfishes, sackfishes, domine, oilfish, cutlassfishes, scabbardfishes, hairtails and frostfishes known to date (PDF). Roma, Itália: FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. p. 94-95. 136 páginas. ISBN 92-5-103124-X 
  7. Nielsen, Jørgen (1999). Sea fish (em English). Hedehusene, Denmark: Scandinavian Fishing Year Book. 340 páginas. OCLC 42817952 
  8. a b «Lepidopus caudatus, Silver scabbardfish : fisheries, gamefish». www.fishbase.se. Consultado em 16 de janeiro de 2022 
  9. Bianchi, G. (1999). FAO species identification guide for fishery purposes. Field guide to the living marine resources of Namibia. Roma, Italia: FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 265 páginas. ISBN 92-5-104345-0 
  10. Mytilineou, Chryssi (Julho 2005). «Deep-water fish fauna in the Eastern Ionian Sea.» (PDF). Royal Belgian Institute of Natural Sciences. Belgian Journal of Zoology. 135 (2): 229-233 
  11. a b c «Lepidopus caudatus, Silver scabbardfish : fisheries, gamefish». www.fishbase.se. Consultado em 16 de janeiro de 2022 
  12. a b Whitehead, Peter James Palmer (1984). Fishes of the North-eastern Atlantic and the Mediterranean, vol 2 (em English). Paris, França: Unesco. ISBN 92-3-002215-2. OCLC 13186416 
  13. «Cauda- ONLINE LATIN DICTIONARY - Latin - English». www.online-latin-dictionary.com. Consultado em 16 de janeiro de 2022