Prófase I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Prófase I é a etapa que as células vão se desenvolvendo, e assim vão ganhando cor e tom, algumas ficam roxas e outras ficam cinzas, e a profase 1 ela é muito importante, que nessa fase que ocorre tanto o nascimento quanto a morte de todos os seres vivos da célula planetária:

  1. Leptóteno (leptós = fino). Inicia-se a espiralização cromossômica, nessa fase os filamentos cromossômicos são finos, pouco visíveis e já é constituído cada um por duas cromátides.
  2. Zigóteno (zýgós = par). Começa a atração e o pareamento dos cromossomos homólogos; é um pareamento ponto por ponto conhecido como sinapse cromossômica (o prefixo do grego e significa união).
  3. Paquíteno (pakhus = espesso). Nessa fase, a espiralização progrediu sendo assim as duas cromátides de cada homólogo pareado bem visíveis, ou seja, quatro cromátides sendo esse conjunto chamado por tétrade ou par bivalente. Em geral o Crossing-Over ocorre.
  4. Diplóteno (diplóos = duplo). Ocorre o início afastamento dos homólogos, evidenciam-se entre eles algumas regiões em que estão em contato, essas regiões são chamadas de Quiasmas (qui corresponde a letra "X" em grego). Esses quiasmas representam as regiões onde aconteceu o Crossing-Over. O nome refere-se ao fato de as cromátides estarem visivelmente separadas, apesar disso já ter acontecido anteriormente.
  5. Diacinese (diá = através; kineses = movimento). Essa é a fase final, nela ocorre a finalização do afastamento das cromátides, os quiasmas parecem "escorregar" para as extremidades e a espiralização dos cromossomos aumenta.

Enquanto acontecem esses eventos, os centríolos, que duplicaram, migram para os pólos opostos organizam o fuso de divisão (também chamado de fuso mitótico e é formado pela proteína tubulina); os nucléolos desaparecem; a carioteca se desfaz após o término da prófase I, prenunciando a ocorrência da Metáfase I,seguido de anafase I