Praça do Compromisso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Placa da Praça do Compromisso

A Praça do Compromisso é um logradouro situado em Brasília, no Distrito Federal, entre as quadras 703/704 da Asa Sul.[1] Foi palco da morte, no dia 20 de abril de 1997, do cacique da tribo Pataxó Hã-hã-Hãe Galdino Jesus dos Santos, 44 anos, que dormia numa parada de ônibus e foi queimado vivo por cinco jovens de classe média alta de Brasília.

Na ocasião do crime a praça se denominava "John Kennedy", mas devido ao trágico crime, por força do Decreto nº 18.189, de 22 de abril de 1997 do então governador do Distrito Federal, Cristovam Buarque, o nome da praça foi alterada para Praça do Compromisso.[2]

Praça do Compromisso. Ao fundo a escultura em homenagem a Galdino Jesus dos Santos

O governador justificou a alteração do nome da praça "considerando o sentimento de indignação e luto de toda a população brasiliense; considerando o anseio da população brasiliense em lutar pela construção de uma sociedade solidária, para que fatos como este não se repitam e considerando ser este o momento ideal para a criação de um compromisso nacional contra a violência e pela solidariedade aos pobres e oprimidos".[2]

A praça, no dia 3 de junho de 1997, ganhou duas esculturas dedicadas ao índio pataxó produzida pelo artista plástico goiano Siron Franco.[3] A escultura representando o índio morto e depois ressuscitado foi erguida a 50 metros do ponto de ônibus onde o pataxó foi queimado. Para fazê-lo, ele recortou uma chapa de aço com três metros de altura e 2,2 metros de largura, deixando vazar a figura de um cadáver com chamas em volta. Franco ofereceu a escultura para homenagear Galdino "em nome de todos os injustiçados".[4] A outra escultura produzida por Franco representa uma pomba, o símbolo da paz.[5]

No dia 19 de janeiro de 2004 a então vice-governadora do Distrito Federal, Maria de Lourdes Abadia, alterou, por força da Lei nº 3.309, novamente o nome da praça. Dessa vez para "Praça Índio Pataxó Galdino Jesus dos Santos".[6]

Características e dimensões[editar | editar código-fonte]

A praça tem em sua parte frontal, 80 metros de largura, na parte posterior 70 metros e nas laterais 203 metros de comprimento. Conta com um estacionamento com 70 metros em suas partes frontal, posterior e lateral.[7]

Há grande fluxo de pessoas durante os dias úteis, porque o Centro Universitário do Distrito Federal - UDF fica próximo à praça. Aos fins de semana acontece uma feirinha de artesanatos, situada no centro da praça.[7]

Em 2009 foi implantado um posto comunitário da Polícia Militar, porém, ele foi desativado em 2017.[7]

Referências

  1. Junqueira, Marina (18 de agosto de 2017). «Moradores de rua do DF fazem ato na Praça do Compromisso, na Asa Sul». Metrópoles. Consultado em 20 de julho de 2020 
  2. a b «Diário Oficial do Distrito Federal» (PDF). 23 de abril de 1997. Consultado em 20 de julho de 2020 
  3. «Folha de S.Paulo - Artista acaba obra de arte para pataxó - 17/05/97». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de julho de 2020 
  4. «Folha de S.Paulo - Índio recebe homenagem - 4/6/1997». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de julho de 2020 
  5. «20 anos da morte de Galdino Pataxó: símbolo para tempos de intolerância». UnB Notícias. Consultado em 20 de julho de 2020 
  6. «Lei 3309 de 19/01/2004». www.tc.df.gov.br. Consultado em 20 de julho de 2020 
  7. a b c Souza, Érika. «Praca do Compromisso» (em inglês)