Protociência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gravura de 1580 mostrando um laboratório de alquimia. A alquimia é considerada uma protociência.

Na filosofia da ciência, existem várias definições de protociência. Seu significado mais simples (refletindo mais de perto suas raízes de proto+ciência) envolve as primeiras eras da história da ciência, quando o método científico ainda era incipiente. O termo também pode ser aplicado a campos de estudo emergentes modernos.[1][2][3][4]

Protociência pré-científica[editar | editar código-fonte]

O termo pré -científico significa na raiz "relativo a uma era antes da existência da ciência". Por exemplo, a medicina tradicional existia há milhares de anos antes da ciência médica e, portanto, muitos aspectos dela podem ser descritos como pré-científicos. Em um sentido relacionado, tópicos protocientíficos (como a alquimia da época de Newton) podem ser chamados de pré-científicos, caso em que os proto e pré-rótulos podem funcionar mais ou menos como sinônimos (o último focando mais nitidamente na ideia de que nada além da ciência é ciência).[5]

Em comparação com a ciência marginal, que é considerada altamente especulativa ou mesmo fortemente refutada,[5] algumas protociências se tornam partes aceitas da ciência convencional. A base histórica de grande parte da química moderna é baseada nas descobertas da alquimia, uma proto-química que usa algumas das técnicas e processos modernos da química comprovada moderna.[1][2][3][4]

Protociência moderna[editar | editar código-fonte]

Outro significado estende essa ideia até o presente, sendo a protociência um campo de estudo emergente que ainda não é completamente científico, mas depois se torna uma ciência própria.[6] O filósofo da química Jaap Brakel a define como "o estudo dos critérios normativos para o uso da tecnologia experimental na ciência".[7]

Um exemplo disso é a teoria da relatividade geral, que começou como uma protociência (um trabalho teórico que não havia sido testado), mas depois foi verificado experimentalmente e se tornou totalmente científico. Protociência, neste sentido, distingue-se da pseudociência por uma vontade genuína de ser mudada através de novas evidências, em oposição a ter uma teoria que pode ser usada para racionalizar uma crença predeterminada (ou seja, viés de confirmação).[1][2][3][4]

Thomas Kuhn disse que as protociências "geram conclusões testáveis, mas... no entanto, assemelham-se à filosofia e às artes em vez das ciências estabelecidas em seus padrões de desenvolvimento. Penso, por exemplo, em campos como química e eletricidade antes de meados do século XVIII, do século XVIII, estudo da hereditariedade e filogenia antes de meados do século XIX, ou de muitas das ciências sociais de hoje." Ao observar que atendem aos critérios de demarcação de falsificabilidade de Popper, ele questiona se a discussão nos campos da protociência "resulta em progressos claros". Kuhn concluiu que as protociências, “como as artes e a filosofia, carecem de algum elemento que, nas ciências maduras, permita as formas mais óbvias de progresso. terapia para auxiliar a transformação de uma protociência em uma ciência, nem suponho que algo desse tipo deva ser obtido".[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c H. Holcomb, Moving Beyond Just-So Stories: Evolutionary Psychology as Protoscience. Skeptic Magazine, 1996.
  2. a b c N. Psarros, The Constructive Approach to the Philosophy of Chemistry. Epistemologia, 1995.
  3. a b c R. Tuomela, Science, Protoscience and Pseudoscience. In Joseph C. Pitt, Marcello Pera (eds.), Rational Changes in Science: Essays on Scientific Reasoning, Dordrecht, Reidel, 1987.
  4. a b c D. Hartmann, Protoscience and Reconstruction. Journal of General Philosophy of Science, 1996.
  5. a b Dutch, Steven I (janeiro de 1982). «Notes on the nature of fringe science». Journal of Geological Education. 30 (1): 6–13. Bibcode:1982JGeoE..30....6D. doi:10.5408/0022-1368-30.1.6 
  6. Bunge, Mario (1984). «What is pseudoscience?». The Skeptical Inquirer. 9. pp. 36–46  (pdf copy. Bunge defines protosciences as "emerging sciences" which "advance and end up by becoming sciences". (p.44)
  7. Brakel, Jaap, "protoscience and protochemistry", Philosophy of chemistry: between the manifest and the scientific image, Leuven Univ Pr, December 2000
  8. Kuhn, Thomas (1970). «Reflections on my critics». In: Imre Lakatos; Alan Musgrave. Criticism and the growth of knowledge: Proceedings of the International Colloquium in the Philosophy of Science [held at Bedford college, Regent's Park, London, from July 11th to 17th 1965] Reprint ed. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 244–245. ISBN 0521096235 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete protoscience.
  • J.A. Campbell, On artificial intelligence. Artificial Intelligence Review, 1986.
  • G. Kennedy, Psychoanalysis: Protoscience and Metapsychology. 1959.
  • A.C. Maffei, Psychoanalysis: Protoscience or Science? 1969.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da ciência é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.