Pureza (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pureza
Pôster promocional
Brasil
2019 •  cor •  101 min 
Direção Renato Barbieri
Produção Paulo Morelli-

Affonso Beato- Marcus Ligocki

Roteiro Renato Barbieri

Marcus Ligocki

Elenco Dira Paes-

Matheus Abreu- Mariana Nunes- Claudio Barros- Sérgio Sartorio- Flavio Bauraqui

Gênero drama
Companhia(s) produtora(s) Gaya Filmes

Ligocki-Z Entretenimento

Distribuição Downtown Filmes
Idioma português
Site oficial

Pureza é um filme brasileiro, do gênero drama biográfico dirigido por Renato Barbieri e escrito por Renato Barbieri e Marcus Ligocki a partir de ideia original de Hugo Santarem [https://www.hugosantarem.com]. O filme, gravado no Pará e em Brasília tem no elenco atores como Dira Paes, a protagonista "Dona Pureza", Matheus Abreu, interpretando seu filho, além de um elenco e narra a história real de uma mulher da cidade de Bacabal, do Maranhão, em 1993, que sai em busca do filho após ele desaparecer em um garimpo na cidade de Itaituba- PA, assim ela vaga de fazenda em fazenda e testemunha os abusos e absurdos de formas degradantes de trabalho, a partir disso Pureza inicia uma longa luta para denunciar o trabalho escravo, mobilizando entidades como a Pastoral da Terra e indo a Brasília pressionar o poder público[1].

Pureza denunciou o trabalho escravo que acontecia no Norte do país para três presidentes da República e em 1997 recebeu um prêmio de Direitos Humanos em Londres[2].

Sobre o filme a atriz Dira PAes comentou: “Pureza enfrentou muitos desafios, foram vários dias sem se alimentar. O filme é sobre essa mulher em busca de seu filho e que acaba se deparando com o trabalho escravo contemporâneo no campo".[3]

Dona Pureza falou sobre a questão do trabalho escravo: "Ainda tem escravidão dentro dessas matas que só os olhos de Deus estão vendo. Quando eu denunciava em Brasília, eles arrumaram uma equipe de não sei quantos homens. Polícia Federal e Ministério do Trabalho entraram em sete fazendas e não encontraram sequer um trabalhador escravizado. Tudo legalizado, recebendo bons salários, todo mundo de carteira assinada. Uma grande mentira."[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Pureza(Dira Paes) sai em busca de seu filho, Abel(Matheus Abreu), desaparecido após partir para o garimpo na Amazônia. Em sua busca, acaba encontrando um sistema de aliciamento e cárcere de trabalhadores rurais. Ela se emprega numa fazenda, onde testemunha o tratamento brutal de trabalhadores e o desmatamento da floresta. Escapa e denuncia os fatos às autoridades federais. Sem credibilidade e lutando contra um sistema forte e perverso, ela retorna à floresta para registrar provas.​[4] .

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Dira Paes - Dona Pureza Lopes Loyola
  • Matheus Abreu - Abel
  • Flavio Bauraqui - Narciso
  • Mariana Nunes - Elenice
  • Sérgio Sartorio - Zé Gordinho
  • Gregório Benevides - Moreno
  • Guto Galvão - Puaí
  • João Gott - Flecha
  • Enoque Marinho - Odilon
  • Jefferson Mendes - Francisco
  • Alberto Silva Neto - João Leal
  • Goretti Ribeiro - Osmaria

Produção[editar | editar código-fonte]

Pureza, o filme, foi aprovado pela Ancine no ano de 2010.[5]

O filme durou um mês de gravações.[3] Com cenas gravadas Marabá, no Pará, as últimas gravações ocorreram no Congresso Nacional.[3]

Um momento emocionante durante as gravações do filme foi quando Pureza, que mora em Bacabal, a 234 km de São Luís- MA, chegou à base da produção do filme, em Brejo do Meio, zona rural de Marabá. Ela recebeu aplausos de aporximadamente 80 embros da equipe do filme que estavam presentes.[3]

O diretor Renato Barbieri contou que teve acesso a um baú de memórias de Dona Pureza: “Dona Pureza achou incrível a história de virar um filme. Ela guardou registros em cassete, fotos, cartas escritas a três presidentes. Tive acesso àquele baú”. [3]

Lançamento e Exibição[editar | editar código-fonte]

O filme teve sua primeira exibição pública durante o Festival do Rio, em dezembro de 2019. Entretanto, a previsão para o lançamento nos cinemas ainda não está confirmada.[6]

Recepção da Crítica[editar | editar código-fonte]

Fabrício Duque,do site Vertentes do Cinema: "Em Pureza, ainda que suas interpretações sejam ultra anti-naturalistas devido às fragilidades do roteiro, descobrimos o verdadeiro significado de um ator, que para existir plenamente precisa sim ser uma marionete não rebelde a seu diretor. Sim, precisamos falar da atriz paraense Dira Paes, que encarna o papel protagonista com as limitações do que recebeu para construí-lo. A fim de delinear o tom do filme, Renato nos conduz pela potencialização de nossa emoção, fazendo com que sejamos cúmplices de sua ingenuidade quase infantil. Nós somos imergidos um um manancial sentimental de excessivos e sôfregos dramas pessoais. Tudo para nos mostrar um documento ficcional de denúncia sobre o trabalho análogo à escravidão que ainda se manifesta nos confins dos interiores de nosso país.[7]"

Enquanto que para Alvaro Tallarico, do site Vivente Andante: "O diretor Renato Barbieri consegue entregar um filme extremamente emocional e forte, em uma cinematografia caprichada que conta com cenas belíssimas. Indubitavelmente, uma delas é a cena do tronco, onde a direção de arte consegue imprimir poesia em uma sequência trágica e cruel, com uma tomada final gloriosa. Palmas para o diretor de fotografia Felipe Reinheimer. Além disso, o roteiro de Marcus Ligocki Júnior não deixa furos, sendo bem amarrado[8]"

Orçamento[editar | editar código-fonte]

O valor aprovado para o orçamento do filme foi de 7.461.711,10 milhões de reais, porém o valor final foi de 6.078.625,54.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (25 de julho de 2018). [https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2018/07/25/interna_diversao_arte,697189/longa-brasiliense-pureza-tem-filmagens-concluidas-na-capital.shtml «Longa brasiliense, 'Pureza' tem filmagens conclu�das na capital»]. Correio Braziliense. Consultado em 22 de julho de 2020  replacement character character in |titulo= at position 49 (ajuda)
  2. MACIEL, VIVIANE DIAS. «Pureza: longa-metragem retratará história real de trabalho escravo». www.anamatra.org.br. Consultado em 22 de julho de 2020 
  3. a b c d e f «Dira Paes filma longa em que vive saga de mãe em busca do filho escravizado». O Globo. 22 de julho de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  4. Rio, Festival do. «Pureza». Festival do Rio. Consultado em 22 de julho de 2020 
  5. a b orçamento
  6. Gravo em maraba so chega as telonas em 2020
  7. Duque, Fabricio (17 de dezembro de 2019). «Pureza | Crítica». Vertentes do Cinema. Consultado em 22 de julho de 2020 
  8. evolução, Alvaro TallaricoJornalista Cultural Um ser vivente nesse mundo cheio de mundos Um realista esperançoso e divulgador da cultura como elemento de elevação na (15 de dezembro de 2019). «Pureza | Filme emociona público no Festival do Rio». Vivente Andante. Consultado em 22 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]