Rahu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Rahu, imagem no Museu Britânico

Rahu, na astrologia védica, foi um demônio derrotado por Vishnu e supostamente responsável pelos eclipses. É representado com um tigre ou leão ao seu lado, segurando em uma de suas mãos um cajado (gada), em outra mão uma flor de lótus e com uma cobra enrolada em suas pernas.

Joseph Campbell, tanto em seu livro As Máscaras de Deus - mitologia oriental quanto em sua edição para a obra de Heinrich Zimmer Mitos e símbolos na arte e civilização da Índia, relata que Rahu é um rakshasa em forma de serpente, que se esconde em um canto quando os deuses e os asuras se unem para bater conjuntamente o amrita, elixir da imortalidade, a partir do Oceano de leite. Delatado por Surya e por Chandra -dois devas (deuses)-, Rahu já começara a engolir o elixir, que estava em sua garganta. Sua cabeça foi cortada por Vishnu, mas já tinha se tornado imortal, de modo que, por vingança, tenta vorazmente engolir o Sol e a Lua, ocasionando os eclipses.

Rahu corresponde na astrologia ao nodo lunar norte, ascendente, quando a órbita da Lua cruza a eclíptica ao se dirigir esta para o norte. A outra parte do corpo de Rahu, a cauda, é Ketu, que corresponde ao nodo lunar sul.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Campbell, Joseph: As máscaras de Deus - mitologia oriental, Editora Palas Athena, São Paulo.
  • Zimmer, Heinrich: Mitos e símbolos na arte e civilização da Índia, Editora Palas Athenaa, São Paulo