Repouso na fuga para o Egipto (Gerard David)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Repouso na fuga para o Egipto
Autor Gerard David
Data c. 1501-1520
Técnica Pintura a óleo sobre madeira
Dimensões 63 cm  × 44 cm 
Localização Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa

Repouso na fuga para o Egipto é uma pintura a óleo sobre madeira do pintor flamengo Gerard David do período entre 1501 e 1520, obra que se supõe ter sido destinada inicialmente ao Convento de Nossa Senhora do Paraíso de Évora, e que se encontra actualmente no Museu Nacional de Arte Antiga.[1]

Repouso na fuga para o Egipto representa o episódio bíblico homónimo sendo uma das várias versões do tema criadas por Gerard David (outras versões em Galeria).[1]

Gerard David pintou a cena bíblica com a aparente simplicidade de uma imagem do quotidiano. Foi um expoente da pintura que flamenga criou este tipo de versões íntimas e familiares que os italianos trataram de forma mais institucional e encenada.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Virgem Maria está sentada num rochedo a amamentar o Menino Jesus, enquanto São José, em segundo plano, colhe frutos silvestres de um arbusto. O Menino Jesus, num gesto carinhoso, parece mais interesado em brincar do que em alimentar-se. Do lado direito da Virgem Maria podemos observar um cesto com alguns aprestos e uma cabaça para a água. Em plano intermédio um burro pasta no meio da paisagem verdejante.[1]

Os objectos pintados no quadrante inferior esquerdo, típicos de uma imagem do quotidiano e pintados com a mesma delicadeza, podem revelar algo mais do que a sua imagem imediata. Assim, o sapo e o caracol fazem alusão ao demónio, enquanto a água da cabaça é símbolo da vida e da pureza.[2]

A cena está enquadrada numa paisagem de uma magnitude que revela a importância que o autor lhe conferia. Gerard David organizou a cena a partir do conjunto da cabeça da Virgem Maria do seu peito e da cabeça do Menino Jesus. O branco deste conjunto atrai a atenção do observador, sendo nele que convergem as diagonais que enformam a obra.[2]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Nota sobre a obra na MatrizNet, [1]
  2. a b c Museu Nacional de Arte Antiga, Colecção Museus do Mundo, Coord. João Quina, Planeta de Agostini, 2005, pag. 280-281, ISN 989-609-301-6