Sapo-cururu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Rhinella marina (antigamente chamado de Bufo marinus), conhecido como sapo-cururu, sapo-boi ou cururu, é um sapo nativo das Américas Central e do Sul. Pertence ao gênero Rhinella, que inclui centenas de espécies de sapos diferentes, distribuídas principalmente pelo Brasil.

É um animal fértil devido ao grande número de ovos postos pelas fêmeas. Seu sucesso reprodutivo deve-se também, em parte, à variedade de alimentos que podem constituir a sua dieta, incomum entre os anuros, e que tanto inclui materiais vivos como mortos. Em geral, os adultos atingem de 10 a 15 centímetros de comprimento. O maior exemplar da espécie de que se tem notícia media 38 centímetros do focinho à cloaca e pesava 2,65 quilogramas.

O sapo-cururu possui grandes glândulas de veneno. Tanto os adultos como os girinos são altamente tóxicos quando ingeridos. Por causa do apetite voraz, foi introduzido em várias regiões do Oceano Pacífico e dos arquipélagos caribenhos como método de controle biológico de pragas, nomeadamente na Austrália, em 1935. Em inglês é conhecido como Cane Toad e, em espanhol, como Sapo de Caña ("sapo-da-cana" em ambas as línguas) por ter sido comumente usado no controle de pragas da cana-de-açúcar. Atualmente, é considerado uma praga em muitas das regiões onde foi introduzido, pois sua pele tóxica mata muitos predadores nativos quando ingerido, além de afetar animais domésticos e de estimação que os comem.[1] Entre as espécies conhecidas por esse nome estão:

Referências

  1. Cururu. In: Houaiss, Antônio. Dicionário houaiss da língua portuguesa. 1. impr. com alterações. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. ISBN 978857302383X. p. 896.
  2. Sapo-cururu. In: Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário aurélio da língua portuguesa. 3. ed. rev. e atual., 1. impr. Curitiba: Positivo, 2004. ISBN 8574724149. p. 1808.
  3. Sapo-cururu. In: Houaiss, Antônio. Dicionário houaiss da língua portuguesa. 1. impr. com alterações. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. ISBN 978857302383X. p. 2517.
  4. Fundação Museu do Homem Americano (2006). Listagem dos anfíbios observados no Parque Nacional Serra da Capivara e áreas adjacentes. Visitado em 25 de agosto de 2007.
  5. Dixo, Marianna; Verdade, Vanessa Kruth. (2006). "Herpetofauna de serrapilheira da Reserva Florestal de Morro Grande, Cotia (SP)" (PDF). Biota Neotropica 6 (2): 4. ISSN 1676-0603.

Ver também[editar | editar código-fonte]