Sorex minutus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMusaranho-anão-de-dentes-vermelhos
Sorex minutus.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Soricomorpha
Família: Soricidae
Género: Sorex
Espécie: S. minutus
Nome binomial
Sorex minutus
Linnaeus, 1766

O musaranho-anão-de-dentes-vermelhos (Sorex minutus) é uma espécie de musaranho pertencente ao género Sorex. É um mamífero insectívoro comum no continente Europeu e Asiático.

Descrição física[editar | editar código-fonte]

O musaranho-anão-de-dentes-vermelhos é um pequeno mamífero com um focinho pontiagudo e cauda longa. O pelo é castanho-acinzentado em todo o corpo, exceptuando no ventre em que a pelagem é branca. É bastante confundido com o musaranho-de-dentes-vermelhos (Sorex granarius), no entanto, esta espécie é de menor dimensões (40-60 milímetros) e tem uma cauda proporcionalmente mais longa e grossa (32-45 milímetros). O seu peso varia entre os 2.4 e 6.1 gramas (Harris e Yalden, 2008).

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

O musaranho-anão-de-dentes-vermelhos ocorre em grande parte do continente europeu, limitado pela Península Ibérica a oeste e estendendo-se até à Sibéria, limitado pelo Lago Baikal (Sibéria) a este. No Sul da Ásia, esta espécie tem sido relatada desde North-West Frontier Province, no Paquistão e Kashmir, na Índia (Hutterer et al., 2008). Esta espécie ocorre desde o nível do mar até territórios a mais de 2 000 metros de altitude, como por exemplo os Pirenéus (Palomo e Gisbert, 2002) e os Alpes (Hutterer et al., 2008).

Habitat e ecologia[editar | editar código-fonte]

O musaranho-anão-de-dentes-vermelhos ocorre em áreas relativamente húmidas com uma vegetação densa e com uma grande variedade de habitats como pântanos, pradarias, dunas, áreas rochosas, matagais e florestas montanhosas (Hutterer et al., 2008). A espécie tem períodos de actividade registados de dia e de noite, encontrados no solo e em tocas escavadas por outros animais (Harris e Yalden, 2008). Como é comum em todos os musaranhos, os sentidos do olfacto, audição e tacto são bem desenvolvidos. Os musaranhos-anões-de-dentes-vermelhos são animais estritamente territoriais (excepto na época de reprodução), sendo agressivos para indivíduos da mesma espécie (Hutterer, 1999). Alimentam-se principalmente de invertebrados, nomeadamente insectos, aracnídeos e isópodes terrestres, exigindo refeições grandes e regulares, chegando a ingerir em apenas num dia até 125 % do seu peso corporal em alimento. Ao contrário dos musaranhos-de-dentes-vermelhos, esta espécie raramente alimenta-se de minhocas (Hutterer, 1999). Os seus principais predadores são as corujas e as aves de rapina (Hutterer, 1999).

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As fêmeas desta espécie geralmente têm 2 a 3 ninhadas por ano, com cerca de 5 a 7 crias por ninhada (Harris e Yalden, 2008).

Factores de Ameaça[editar | editar código-fonte]

O musaranho-anão-de-dentes-vermelhos pode ser afectado pela perda ou destruição do seu habitat, pelo uso de pesticidas e por outras mudanças ecológicas que provoquem a diminuição da abundância de invertebrados de que se alimenta (Hutterer et al., 2008; Cabral et al., 2005), no entanto, estas ameaças não colocam a espécie em risco de extinção. Também, algumas populações ibéricas estão sujeitas a um aparente isolamento geográfico, o que pode tornar as extinções locais prováveis de acontecer (Palomo e Gisbert, 2002; Cabral et al., 2005).

Conservação[editar | editar código-fonte]

O musaranho-de-dentes-vermelhos está classificado como Pouco Preocupante (LC) pela IUCN, pois esta espécie é comum em toda a sua distribuição geográfica (Hutterer et al., 2008). Esta espécie encontra-se listada no Apêndice III da Convenção de Berna, ocorrendo em várias áreas protegidas da sua distribuição geográfica. É necessário a implementação de estudos sobre a sua ecologia e distribuição em Portugal (Cabral et al. 2005). As populações ibéricas que se encontram isoladas também devem ser monitoradas (Hutterer et al., 2008).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Cabral, M. J., Almeida, J., Almeida, P. R., Dellinger, T., Ferrand de Almeida, N., Oliveira, M. E., Palmeirim, J. M., Queiroz, A. I., Rogado, L. e Santos-Reis, M. (eds). (2005). Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa.
  • Harris, S. e Yalden, D. (2008). Mammals of the British Isles: handbook. Mammal Society, London.
  • Hutterer, R. (1999). Sorex minutus. Em: A. J. Mitchell-Jones, G. Amori, W. Bogdanowicz, B. Kryštufek, P. J. H. Reijnders, F. * Spitzenberger, M. Stubbe, J. B. M. Thissen, V. Vohralík, and J. Zima (eds), The Atlas of European Mammals, Academic Press, London, UK.
  • Hutterer, R., Amori, G., Kryštufek, B., Fernandes, M. e Meinig, H. (2008). Sorex minutus. Em: IUCN 2013. IUCN Red List of Threatened Species. Versão 2013.2. <www.iucnredlist.org>. Acedido em 25 de Abril de 2014.
  • Palomo, L. J. e Gisbert, J. (2002). Atlas de los mamíferos terrestres de España. Dirección General de Conservación de la Naturaleza. SECEM-SECEMU, Madrid, Spain.
  • Palomo, L. J. e Gisbert, J. (2002). Atlas de los mamíferos terrestres de España. Dirección General de Conservación de la Naturaleza. SECEM-SECEMU, Madrid.
  • Spitzenberger F. (2002). Die Säugetierfauna Österreichs. Bundesministerium für Land- und Forstwirtschaft. Umwelt und Wasserwirtschaft, Band.