Stella Calloni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Stella Calloni (Entre Ríos (província), 1935) é uma jornalista, especialista em política internacional e escritora Latino-Americana, nascida na Argentina.

Perfil literário[editar | editar código-fonte]

No jornalismo atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Stella Calloni escreve sobre temas políticos da América Latina correlacionando a dominação imposta tanto econômica, como cultural e ideologicamente no século XIX pelo Império Britânico e posteriormente pelos Estados Unidos. A linha literária dos livros e artigos de Stella Calloni também enfocam o ciclo de ditaduras de direita que assolou a América Latina com o explícito apoio dos Estados Unidos, como a era Pinochet no Chile, e é apontada como uma das autoridades no assunto Operação Condor, ação desenvolvida por potências externas com apoio de segmentos conservadores regionais.


Também estuda as relações de poderes da mídia em países latinos e prega uma necessidade de democratização de tais meios sendo uma apoiadora da Lei 26.522 de Serviços de comunicação audiovisual (Argentina) também conhecida como Ley de medios. Atualmente é correspondente para a América do Sul do jornal mexicano La Jornada e da revista eletrônica brasileira Diálogos do Sul[1].


Obras[editar | editar código-fonte]

  • Nicarágua: o Terceiro Dia;
  • Panamá, pequena Hiroshima
  • Os anos do Lobo: Operação Condor;
  • Condor Pacto criminoso;
  • Evo na mira da CIA e DEA na Bolívia.


Premiações[editar | editar código-fonte]

Uma de suas premiações foi conferida 2012 pela Faculdade de Jornalismo e Comunicação Social da Universidade Nacional de La Plata (UNLP) com o Prêmio Rodolfo Walsh.

Referências