Supergamepower

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

SuperGamePower era uma revista de games brasileira, da editora Nova Cultural, que nasceu depois da fusão das revistas Super Game e Game Power também da editora Nova Cultural.

O primeiro número da revista foi às bancas em abril de 1994, e trazia matérias sobre todas as plataformas da época, não só os consoles da Sega e Nintendo mas também 3DO, Jaguar e PC. A revista trazia matérias exclusivas e resenhas originais da revista americana GamePro (estas últimas, aos poucos, foram cedendo espaço aos resenhistas da própria revista).

A revista era publicada mensalmente, e esporadicamente eram lançadas edições especiais da revista, como edições especiais só com dicas ou só com golpes de games de luta.

Equipe da revista[editar | editar código-fonte]

Uma característica fundamental da SuperGamePower era a equipe fictícia que nela trabalhava, com os quatro antigos resenhistas da Game Power: Baby Betinho, especialista em jogos de luta; Marcelo Kamikaze, autoridade em RPGs; Lord Mathias, perito em ação e esporte; e Marjorie Bros, expert em aventura e simuladores, considerada pelos leitores a "musa" da revista, juntando-se a eles o Chefe e o ombudsman Akira E. Agora, ambos egressos da Super Game. Mais tarde seriam criados Bill Games, colunista de tecnologia e resenhista de jogos para PC (edição 16, de julho de 1995), e Chris Combo, que causaria ciúmes em Marjorie ao dividir a atenção dos leitores. Criada em uma promoção da revista vencida pelo leitor João Gabriel Vanz, de Curitiba-PR, Chris estreou na edição 65, de agosto de 1999, mas deixou de fazer parte do quadro da revista na reformulação de 2002.

Seções da Revista[editar | editar código-fonte]

  • Cartas: Já teve o nome de "Super GP Cartas" no início da revista. Seção destinada a cartas dos leitores, e desenhos enviados pelos leitores para a seção "Arte no Envelope" em que o melhor desenho ganhava algum prêmio. Esta seção da revista incluia algumas sub-seções como "Classificados" e "Jogo Frágil", somente com cartas de leitoras (a partir da edição 16 - julho/1995 - o nome desta sub-seção mudaria para "Rosa Shock" após diversas acusações de machismo devido ao nome), às quais eram (quase) sempre respondidas por Marjorie Bros.
  • SGP na Rede: Inicialmente uma sub-seção da seção de Cartas, era dedicada a responder a e-mails de leitores e foi publicada pela primeira vez na edição 46 (janeiro/1998). Com a proliferação da Internet, esta seção foi se expandindo, passando a ocupar uma página inteira a partir da edição 62 (maio/1999), na qual também divulgava dicas de sites na Internet, e na edição 73 (abril/2000), tornou-se seção própria, independente da seção de cartas.
  • Circuito Aberto: Reportagens sobre o mundo dos games (sistemas em desenvolvimento, primeiras notícias de jogos, feiras e exposições etc.). A partir da edição 88 (julho/2001), passou a trazer também a seção News, com notas rápidas pertinentes aos games.
  • Pré-Estreia: Previews de games que serão lançados em breve. Deixou de ser seção própria da revista na edição 73 (abril/2000), quando os previews passaram a ser integrados às seções de cada plataforma, mas retornou na edição 89 (agosto/2001) quando o projeto gráfico da revista mudou novamente.
  • Painel: Seção com reviews curtos e sem notas, essa seção durou apenas 15 meses na revista, entre as edições 50 (maio/1998) e 65 (agosto/1999). Era similar às páginas de reviews curtos publicadas no primeiro ano da revista. Retornou na edição 89 (agosto/2001) com o nome Quick Reviews.
  • Golpe Final: Seção com listas de golpes, combos e algumas dicas de games de luta. Durou até a edição 60 (março/1999).
  • Esporte Total: Seção dedicada a games de esporte em geral. Com o projeto gráfico inaugurado em 2000 (edição 73, mês de abril), no qual as seções da revista passaram a ser divididas de acordo com a plataforma, a seção foi extinta.
  • SGP Dicas: Dicas e trapaças de games, com codigos de Gameshark sendo publicados a partir da edição 62 (maio/1999).
  • Detonado: Roteiros para completar jogos, passo-a-passo. Normalmente eram publicados dois jogos por edição, mas por vezes somente um jogo era mostrado - especialmente a partir da era dos 32 bits, quando os jogos se tornaram mais longos. Algumas vezes, também, não havia espaço suficiente para um único jogo, então a matéria era dividida entre duas edições.
  • Computer Zone: Seção antiga da revista onde ficavam os games de PC, durou até a edição 49 (abril/1998). Depois do fim dessa seção, os games de PC passaram a ser resenhados junto aos dos consoles.
  • Super GP Express: Seção antiga da revista, tratava de RPGs de tabuleiro, HQ, música e livros. Extinta após a edição 30 (setembro/1996).
  • Flashback: Reviews sem nota de games antigos. Estreou na edição 19 (outubro/1995), e foi até a edição 87 (junho/2001).
  • Final Stage: Nesta seção, que ocupava sempre a última página, a revista mostrava o final de algum game específico. Publicada pela última vez na edição 38 (maio/1997), mostrando o final de Final Fantasy VII. Depois, a última página passou a ser destinada para informações sobre números atrasados.

Última Edição[editar | editar código-fonte]

A revista foi editada pela editora Nova Cultural até a edição 90, de setembro de 2001. Após essa edição (que não tinha nenhuma informação sobre o futuro da revista) a revista ficou fora de circulação até maio de 2002, quando voltou às bancas, agora sendo editada pela editora Option, já sem a parceria da GamePro, mas sob licença da editora Nova Cultural. A princípio, a publicação continuou mensal (com exceção da edição 98, que valeu para dezembro de 2002 e janeiro de 2003), mas depois da edição 100 (março/2003) deixou de ter periodicidade fixa. A última edição, de número 133, foi publicada em dezembro de 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Especial sobre a revista no UOL Jogos, com entrevistas com Matthew Shirts (o Chefe), Roberto Carnicelli (Baby Betinho), Akira Suzuki (Akira E. Agora) e Fabio Pancheri (ex-redator da revista)