Tchê Barbaridade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tchê Barbaridade é um conjunto de musical da cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Surgido no início dos anos 90 é conhecido como um dos criadores da Tchê Music[1], o novo estilo da banda levou a um conflito com a tradicional música gaúcha.[2]

Entre suas principais músicas estão Moça Fandangueira, Apaixonado, De à Cavalo, É Sábado o Dia, Fusca do Tchê, Lá Vem o Tchê!, Batucada do Tchê e, das mais novas vem Você não Vale Nada, Bate Coração, Games People Play, Agora é Tarde, entre outras, quase todas na voz de Marcelo Noms ou, simplesmente, Marcelo do Tchê.

Em 2014, após mais de 20 anos Marcelo do Tchê se desliga pra seguir carreira solo e desde então Cristiano Vargas assume os vocais junto com Pablo Costa. Entre 2017 retorna o cantor Lorenzo Munari que estava inicialmente de 1998 a 2001 e mais tarde seguido carreira no Grupo Vaneraço.

Tem na bagagem 19 CDS entre eles 17 em estúdio e 2 Ao Vivo e 4 DVDS, em Porto Alegre, Cidreira, Caxias do Sul e Bento Gonçalves, respectivamente. Além de participações do Festchê I, II e V.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

  • Cris Vargas (voz solo)
  • Enzo Munari (voz solo)
  • Paulinho Vargas (guitarra e voz)
  • Miguel Ramos (contrabaixo e voz)
  • Ronaldo "Petiço" (gaita-ponto)
  • Marcos Noms (teclados e gaita)
  • Robson Bé (bateria)

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Marcelo do Tchê (voz solo)
  • Zé Leandro (voz solo e violão)
  • Carmen Dubben (voz solo)
  • Joel Carlo (voz solo)
  • Pablo Costa (voz solo e percussão)
  • Marco Antônio Machado (guitarra e vocal)
  • Valtair "Cavalo" (guitarra e voz)
  • Marcelo Freitas (guitarra)
  • Rafinha Muti (guitarra, voz solo e vocal)
  • Cleber Sideron (baixo e vocal)
  • Rodrigo Munari (contrabaixo, voz solo e vocal)
  • Paulo Roberto "Padreco" (contrabaixo e vocal)
  • Paulo Feijó (baixo, voz solo e vocal)
  • Giovani Fraga (contrabaixo)
  • Edson Machado "Bobi" (gaita e voz)
  • João Luiz Corrêa (gaita e voz solo)
  • Renato Cunha (bateria e voz)
  • Marlon Castilhos (bateria e voz)
  • Mano Vargas (bateria)
  • Célio Araújo (bateria)
  • Ariél Lopez (percussão aux.)
  • Venâncio Costa (percussão aux.)

Discografia[3][editar | editar código-fonte]

  • Tchê Barbaridade (1989)[4]
  • Moça Fandangueira (1991)[4]
  • Ausência (1994)[4]
  • Tchê Barbaridade - Vol. 4 (1995)[4]
  • Campeiros & Apaixonados (1996)[4]
  • 10 Anos Mais Fandangueiro (1997)[4]
  • Gaitaço Brasileiro (1998)[4]
  • O Tchê Chegou (2000)
  • 20 Grandes Sucessos Ao Vivo (2001)
  • O Tchê é 10! (2002)
  • Lá Vem o Tchê (2003)
  • Na Palma da Mão (2004)
  • Ao Vivo em Porto Alegre (2006) (CD/DVD)
  • Regional Brasileiro (2007)
  • Tchê Mania Ao Vivo (2008) (CD/DVD)
  • Cante e Dance (2009)
  • Tchê Barbaridade - Volume 17 (2010)
  • 100% Gaúcho (2011) (CD/DVD)
  • Baile do Tchê (2011)
  • 100% Gaúcho Vol. 2 (2013)
  • Ao vivo em Bento (2015) (CD/DVD)
  • Ao vivo no Taim (2016)
  • O Gauchão Voltou ! (2017)

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Açorianos[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
2002[5] Grupo de Música Regional Tchê Barbaridade Indicado
2006[6] Melhor DVD Ao Vivo em Porto Alegre Indicado
2011[7] Disco de Música Regional 100% Gaúcho Indicado
  • Disco de Ouro - Tchê Barbaridade 100% vanera ao vivo[2]
  • Disco de Ouro - Tchê Music ZH
  • Disco de Ouro - Tchê Barbaridade - Na Palma da mão

Referências

  1. «Tudo Junto & Misturado - Mas Bah Tchê! Isso não é coisa de gaúcho!». MTV Brasil. 16 de abril de 2009. Consultado em 13 de dezembro de 2009. 
  2. a b «Tchê Barbaridade - Artistas da Semana». Band FM, Lajes, 94,3. Consultado em 13 de dezembro de 2009. 
  3. «Discografia». tchebarbaridade.com.br. Consultado em 13 de dezembro de 2009. 
  4. a b c d e f g «Grupo Tchê Barbaridade». Página do Gaúcho. 11 de abril de 1999. Consultado em 13 de dezembro de 2009. 
  5. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Indicados ao Prêmio Açorianos de Música - 2002». Consultado em 30 de abril de 2018. 
  6. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Indicados ao Prêmio Açorianos de Música - 2006». Consultado em 16 de abril de 2018. 
  7. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Indicados ao Prêmio Açorianos de Música - 2011». Consultado em 7 de maio de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]