Terceiro Concílio de Toledo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Terceiro Concílio de Toledo, em 589.

O Terceiro Concílio de Toledo (589)[1] marca a entrada da Espanha visigótica na Igreja Católica e é conhecido por codificar a cláusula filioque no cristianismo ocidental.[2][3] O conselho também decretou restrições aos judeus, e a conversão do país ao cristianismo católico levou a repetidos conflitos com os judeus.[4]

Efeitos do conselho[editar | editar código-fonte]

As proscrições contra os judeus foram logo seguidas por conversões obrigatórias, o que levou a uma fuga em massa de judeus da Espanha visigótica para Ceuta e tecnicamente territórios próximos visigóticos no norte da África. Lá, formou-se uma comunidade de exilados e descontentes, que mais tarde forneceriam alianças e informações úteis no momento da invasão moura em 711.

A cláusula filioque se espalhou pelo Ocidente alfabetizado em latim, mas não pelo Oriente de língua grega. Os francos o adotaram, mas seu uso causou polêmica no século IX. Seu uso se espalhou para Roma logo após 1000, e contribuiu para o Grande Cisma (1054) entre os ortodoxos orientais e os católicos.[2]

Referências

  1. Online, Catholic. «St. Leander of Seville - Saints & Angels». Catholic Online (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2022 
  2. a b "Filioque." Cross, F. L., ed. The Oxford dictionary of the Christian church. New York: Oxford University Press. 2005
  3. Siecienski, A. Edward (2010). The Filioque: History of a Doctrinal Controversy. New York: Oxford University Press. pp. 68–69. ISBN 978-0-19-537204-5 
  4. Durant, Will. Age of Faith. New York: Simon and Schuster. 1972

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.