Teto retrátil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Teto retrátil é um tipo de teto utilizado em várias instalações esportivas, onde o teto é feito de um material específico que pode ser mecanicamente movimentado, dando a possibilidade se ter uma configuração aberta ou fechada para a prática de esportes, ao contrário dos domos que usam que usam uma estrutura fixa.

Tetos retráteis são geralmente utilizados em lugares com variações térmicas extremas, e também oferecem a possibilidade de se usar grama natural em estádios, tetos retráteis também podem ser utilizados em piscinas e empreendimentos comerciais.

História[editar | editar código-fonte]

Civic Arena, construída em 1961.

O primeiro estádio com teto retrátil foi o Civic Arena em Pittsburgh em 1961, utilizado para jogos da NHL do Pittsburgh Penguins e jogos da NBA.

O Estádio Olímpico de Montreal foi o primeiro grande estádio com teto retrátil, apesar de ter sido inaugurado para os Jogos Olímpicos de 1976, somente ganhou a configuração em 1988, tendo sido removido para um teto fixo em 1998

Tipos de tetos retráteis[editar | editar código-fonte]

Tetos retráteis podem variar do formato, material e movimento, estádios como o Miller Park possuem teto retrátil em estilo leque, o Toyota Stadium possui teto retrátil com movimento semelhante ao de sanfona, alguns como Estádio Nacional de Varsóvia possuem teto do tipo guarda-chuva.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]