Tralhoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTralhoto
A. anableps
A. anableps
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Cyprinodontiformes
Família: Anablepidae
Género: Anableps
Espécies

Tralhoto é o nome dado a duas espécies de peixes pelágicos amazônicos da família Anablepidae, a Anableps anableps e a Anableps microlepis. O gênero Anableps inclui ainda outra espécie, a Anableps dowi, presente mais ao norte, nas costas da América Central e do México.

Devido a presença de uma estrutura dupla nos olhos proeminentes acima da cabeça, o tralhoto também é popularmente conhecido como peixe-de-quatro-olhos[1]: a córnea de cada olho está dividida horizontalmente em duas zonas, a de cima fortemente convexa e a de baixo plana; essa singular característica também divide cada pupila em duas, a de cima adaptada à visão fora da água e a de baixo adaptada à visão subaquática[2].

As duas populações de tralhoto ocorrem juntas e são encontradas tanto em água doce quanto salobra do estuário amazônico. Estudos revelaram, entretanto, que cada espécie tem preferência quanto ao teor de sal na água: a A. anableps predomina no inverno, quando a água está doce, e a A. microlepis predomina no verão, quando a água está mais salobra[3].

Tanto os machos quanto as fêmeas possuem orgãos sexuais orientados, ou para a direita, ou para a esquerda, ocorrendo a cópula apenas em pares invertidos: machos destros com fêmeas canhotas e machos canhotos com fêmeas destras.

Referências

  1. http://hypescience.com/peixe-de-quatro-olhos-enxerga-dentro-e-fora-da-agua-ao-mesmo-tempo/
  2. http://www.ninha.bio.br/biologia/animais_agua_doce.html
  3. NASCIMENTO, F. L. & ASSUNÇÃO, M. I. S., 2008. Ecologia reprodutiva dos tralhotos Anableps anableps e Anableps microlepis (Pisces: Osteichthyes: Cyprinodontiformes: Anablepidae) no rio Paracauari, ilha de Marajó, Pará, Brasil, Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 3, n. 3, p. 229-240, set.- dez. 2008