Transatlantic Exoplanet Survey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Transatlantic Exoplanet Survey ou TrES, é uma rede de três telescópios de pequena abertura para pesquisa de trânsitos planetários, localizados nos seguintes sítios astronômicos:


  1. Sleuth - Palomar Observatory, no sul da Califórnia, EUA;
  2. PSST - Lowell Observatory, no norte do Arizona, EUA;
  3. STARE - Observatorio del Teide, Tenerife, Ilhas Canárias, Espanha.


Trânistos planetários ocorrem quando um planeta passa diante da estrela que orbita, tal como um pequeno eclipse. Para que um trânsito planetário possa ser observado, o plano orbital do planeta deve estar praticamente alinhado com a linha de visada do observador. Durante o trânsito planetário o planeta obstrui a passagem da luz da estrela fazendo com que a intensidade luminosa observada sofra uma pequena diminuição. A variação observada depende do tamanho do planeta e do raio de sua órbita. Para planetas gigantes tipo Júpiter, a variação no brilho é da ordem de 1% apenas e o trânsito desses planetas duram umas poucas horas.

Para detectar trânsitos planetários, os telescópios do TrES observam regiões do céu, durante o maior número possível de noites (geralmente uma campanha deste tipo dura dois meses). Durante as observações, imagens sequenciais do céu são capturadas por câmeras CCDs acopladas aos telescópios. A partir das imagnes, obtem-se a curva de luz de cada uma das milhares de estrela dentro do campo de visão do telescópio. As curvas de luz são analisadas uma a uma, a procura de variabilidades no brilho da estrela.

Quando variabilidades são encontradas, a curva de luz é analisada para se saber se as variações observadas decorrem realmente de um trânsito planetário ou se são causadas pela própria estrela, no caso de ser uma estrela variável.


Ver também[editar | editar código-fonte]


Ligações externas[editar | editar código-fonte]