Vacina contra febre tifoide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em vermelho onde é endêmica, em laranja onde é ocasional e em cinza onde não há casos. (mapa de 2006)

Vacinas contra febre tifoide são vacinas que previnem entre 55 e 70% dos casos de febre tifóide nos primeiros três anos. A proteção reduz progressivamente durante sete anos.[1][2] Os tipos mais amplamente disponíveis são a vacina conjugada contra febre tifóide (TCV), Ty21a (uma vacina viva administrada por via oral) e a vacina polissacarídica capsular Vi (ViPS) (uma vacina de subunidade injetável). As vacinas são seguras e eficazes para aplicar em crianças.[3]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda vacinar todas as crianças de 6 meses a 5 anos em áreas endêmicas (onde a doença é comum).[1] Também recomendam a vacinação de pessoas de alto risco. As campanhas de vacinação também podem ser usadas para controlar surtos de doenças. Dependendo da vacina, doses adicionais são recomendadas a cada três a sete anos. Nos países desenvolvidos a vacina é recomendada uma semana antes de uma viagem onde a doença é comum.[4]

As vacinas disponíveis a partir de 2018 são muito seguras.[1] Efeitos colaterais menores podem ocorrer no local da injeção. A vacina injetável é segura em pessoas com HIV / AIDS e a vacina oral pode ser usada desde que os sintomas não estejam presentes. Embora não tenha sido estudada durante a gravidez, acredita-se que as vacinas não vivas sejam seguras, enquanto a vacina viva não é recomendada.

As primeiras vacinas contra a febre tifóide foram desenvolvidas em 1896 por Almroth Edward Wright, Richard Pfeiffer e Wilhelm Kolle .[5] Devido aos efeitos colaterais, novas formulações são recomendadas a partir de 2018.[1] Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, os medicamentos mais seguros e eficazes necessários em um sistema de saúde .[6] O custo de atacado nos países em desenvolvimento era de cerca de US$ 4,44 por dose em 2014.[7]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Em 1990 causou 181.000 mortes. Em 2000, a febre tifóide infectou cerca de 21,7 milhões de pessoas causando 217.000 mortes. Em 2013 causou 161.000 mortes. É mais comum em crianças de 5 a 19 anos.[8] A letalidade é de 10 a 20% entre os não tratados e menos de 1% com tratamento antibiótico. A vacina reduz o risco de complicações em 81% das crianças.[9]

Referências

  1. a b c d «Typhoid vaccines: WHO position paper – March 2018». Weekly Epidemiological Record. 93: 153–172. 2018  Verifique o valor de |display-authors=((World Health Organization)) (ajuda)
  2. «Typhoid vaccines: WHO position paper, March 2018 - Recommendations». Vaccine. 37: 214–216. 2019. PMID 29661581. doi:10.1016/j.vaccine.2018.04.022  Verifique o valor de |display-authors=((World Health Organization)) (ajuda)
  3. «Vaccines for preventing typhoid fever.». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 5: CD001261. PMC 6494485Acessível livremente. PMID 29851031. doi:10.1002/14651858.CD001261.pub4 
  4. «Typhoid VIS». Centers for Disease Control and Prevention (CDC) 
  5. Flower, Darren R. (2008). Bioinformatics for Vaccinology. John Wiley & Sons. Chichester: [s.n.] pp. 40–41. ISBN 9780470699829. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) [2015-12-22 🔗] Verifique valor |arquivourl= (ajuda) 
  6. World Health Organization model list of essential medicines: 21st list 2019. World Health Organization. Geneva: [s.n.] 2019. WHO/MVP/EMP/IAU/2019.06. License: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. [World Health Organization Resumo divulgativo] Verifique valor |resumo-url= (ajuda) 
  7. «Vaccine, Typhoid». International Drug Price Indicator Guide 
  8. GBD 2013 Mortality Causes of Death Collaborators (January 2015). "Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013". Lancet. 385 (9963): 117–71. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2. PMC 4340604. PMID 25530442.
  9. "Typhoid vaccines: WHO position paper" (PDF). Releve Epidemiologique Hebdomadaire. 83 (6): 49–59. February 2008. PMID 18260212. Archived (PDF) from the original on April 2, 2015.