As-20

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de AS-20)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
AS-20
Alerta sobre risco à saúde
Estrutura em esqueleto da mistura As-20.png
Nome IUPAC Difenilarsano/ Fenilarsano
Outros nomes DAM. Fenilarsina/ Difenilarsina mistura. Destilado de Arsina Mistura;
Identificadores
Número CAS
Propriedades
Fórmula química C18H18As2
Massa molar 384.18 g mol-1
Aparência Liquido incolor oleoso com cheiro irritante.
Ponto de ebulição

269 °C, 542 K, 516 °F

Solubilidade em água Insolúvel
Farmacologia
Riscos associados
NFPA 704
NFPA 704.svg
2
4
1
 
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

AS-20[1][2], ou DAM, é uma mistura de Fenilarsina e Difenilarsina, é um agente vesicante de ação de velocidade moderada e ação sanguínea moderadamente rápida, é um liquido oleoso incolor levemente volátil em temperatura e pressão normais e com cheiro irritante característico, possui um ponto de ebulição conjunto de 269,9 graus Celsius (com decomposição), sendo destilado a vácuo de 114 graus Celsius em 19 mmHg. AS-20 é insolúvel em água, sendo hidrolisado lentamente por ela, AS-20 é solúvel em diversos solventes orgânicos, como o Benzeno e Tolueno, AS-20 quando hidrolisado gera Arsina (SA), Fenol e Éter fenilíco, deixando a mistura com um característico cheiro levemente doce de gerânio e Alho, o cheiro de alho é proeminente da Arsina, sendo emitida da solução de forma lenta, ao término de sua emissão haverá apenas o cheiro de Gerânios.

AS-20 é uma mistura muito estavel em ambiente, tendo uma persistência em ambientes normais de semanas, tendo uma persistência em ambientes úmidos de alguns dias, em ambientes propícios persiste por mais de um mês, passando de dois meses. O uso em combate de AS-20 como agente vesicante é menos efetivo que mostardas nitrogenadas (HN-1, HN-2) e sulfuradas (HD, Q, T), mas assim mesmo, é um potente agente vesicante capaz de produzir ferimentos logo após a exposição. O contato ou aspiração com AS-20 causa imediata dor e irritação, os efeitos vesicantes de AS-20 são atrasados, o que inclui na manifestação das bolhas, feridas com gravidade e potentes alergias, AS-20 é muito eficiente agente sanguíneo, podendo matar facilmente se inalado.

Os efeitos de exposição de AS-20 são similares ao da Arsina e Vinilarsina. AS-20 possui poder de passar por certos tipos de borrachas e depois dissolve-las. Possui uma dose letal mediana por inalação de 400 miligramas, podendo variar das 200 miligramas para as 1200 miligramas. O contato de 50 miligramas com o rosto tende a causar irritação, queimação, dor, envenenamento sistemático e manifestará a formação de bolhas depois de 24 horas se não tratados com uma solução de Hipoclorito de cálcio. a inalação de 3750ppm tende a matar um adulto em 30 minutos. O contato ou exposição em locais contaminados com AS-20 tendem a causar ferimentos, porém tendem a se manifestar dias, semanas ou meses após o contato.

Síntese[editar | editar código-fonte]

É produzido perante reação de duas misturas, uma constituída por 3 mol de Benzeno e 2 mol Tricloreto de Arsênio e outra por 6 mol de Benzeno, 1/6 mol de Cloreto de alumínio e 6 mol de Hidrocarboneto ácido, sendo geralmente utilizado 6 mol de Isopentano. O material obtido fica na fase superior onde é decantado e o Cloreto de hidrogênio neutralizado por uma solução de Carbonato de sódio calculada, o material retido na fase superior é decantado, acrescenta-se Sulfato de sódio para a absorção da água restante, os insolúveis são filtrados, o agente é destilado em conjunto perante vácuo. A reação descrita é similar a discutida na patente US3883594[3].

Referências

  1. Ledgard, Jared (2006). A Laboratory History of Chemical Warfare Agents (em English). Place of publication not identified; Raleigh, N.C.: Jared Ledgard. ISBN 9780615136455 
  2. «The Preparatory Manual of Chemical Warfare Agents Third Edition». www.uvkchem.com. Consultado em 16 de abril de 2018 
  3. Process for the acylation of aromatic hydrocarbons, 11 de abril de 1974, consultado em 28 de abril de 2018