Academia de São Lucas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pietro Francesco Alberti (1584–1638), Uma Academia de Pintores em Roma, gravura
São Lucas mostrando o quadro da Virgem por Guercino

A Academia Nacional de São Lucas é uma associação de artistas em Roma, fundada em 1593.[1] Seu primeiro presidente foi Federico Zuccari.[2]

Seu propósito inicialmente era elevar o trabalho dos artistas para além do simples artesanato. Também estava envolvido na fundação Girolamo Muziano. A partir de 1600 a academia foi nomeada em homenagem a São Lucas, que, de acordo com a lenda, pintou um retrato da Virgem Maria e assim se tornou o santo padroeiro das guildas de pintores.[1]

Embora esse fosse um dos seus objetivos desde a fundação, a Academia não desenvolveu atividade formativa nos primeiros anos de existência e sómais tarde implementou um curso para estudantes, em vários níveis, que incluía o ensino do desenho (nomeadamente do desenho de modelo vivo).[3]

Missão[editar | editar código-fonte]

Atualmente a Academia Nacional de São Lucas visa promover as artes e a arquitetura, honrar os méritos de artistas e estudiosos, e trabalhar pela valorização e promoção da arte e arquitetura italianas. Essa sua missão é prevista em uma lei de 2005.[1]

Diretores[editar | editar código-fonte]

Os prìncipi (diretores) da instituição incluíram alguns dos maiores pintores dos seguintes séculos, incluindo Domenichino e Bernini. Acredita-se que a Academia desprezava outra instituição de Roma na época, o Bamboccianti. Giovanni Bellori apresentou lá várias palestras sobre pintura.

Alguns Principi famosos foram:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «L'Accademia». Accademia di San Luca. Consultado em 15 de julho de 2020 
  2. Goldstein, Carl – Teaching Art: Academies and Schools from Vasari to Albers. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1996, p. 16, 30. ISBN 0-521-55988-X
  3. Goldstein, Carl – Teaching Art: Academies and Schools from Vasari to Albers. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1996, p. 30-33.