Aldo Obino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aldo Obino (Porto Alegre, 25 de outubro de 1913 - 23 de fevereiro de 2007) foi um jornalista e crítico de arte brasileiro, ativo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Trabalhou no jornal Correio do Povo de 1934 a 1984 e colaborou com o Jornal do Comércio e A Nação, escrevendo sobre cultura e arte, exercendo grande influência no cenário da cultura sulina e sendo, segundo a pesquisadora Ana Pettini, senão o maior um dos mais importantes críticos de arte riograndenses no século XX. Também desenvolveu atividade como palestrante e literato, escrevendo prefácios. Foi casado com Wilma Agustoni Obino, não deixando descendência.

As colunas que escreveu para a imprensa foram organizadas recentemente por Cida Golin que, com o auxílio do próprio autor, selecionou as mais significativas e as publicou novamente através do Museu de Arte do Rio Grande do Sul e da Universidade de Caxias do Sul, resultando no livro Aldo Obino: Notas de Arte (2002).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Perda de crítico de arte gaúcho. Porto Alegre: Correio do Povo, 24 de fevereiro de 2007. p. 27 [1]
  • Azevedo, José Carlos de. Prêmio para as artes de Porto Alegre. Jornal da Universidade. Porto Alegre: UFRGS, Ano 09 - Nº 99, junho de 2007. p. 2. [2]
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.