Amazonas Palace Hotel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

19° 55′ 02,89″ S, 43° 56′ 11,13″ O


Amazonas Palace Hotel
Amazonas Palace, Belo Horizonte, Brasil
Informações
Localização Brasil Minas Gerais, Brasil
Inauguração 10 de agosto de 1952 (68 anos)
Estrelas 3 de 3 estrelas.
Arquiteto Mazoni e Magalhães
Andares 12
Restaurantes 1
Quartos 96
Suítes 96
Coordenadas 19° 55′ 02,89″ S, 43° 56′ 11,13″ O
www.amazonaspalace.com.br

O Amazonas Palace Hotel é um hotel tradicional de Belo Horizonte, capital do estado brasileiro de Minas Gerais. Foi inaugurado em 1952 pela família Haas.

História[editar | editar código-fonte]

O hotel abriga o famoso Bar Tejuco, que era frequentado pela elite mineira, a qual podia apreciar nesse espaço o som do piano e jazz e ainda os painéis artísticos do famoso pintor e escultor francês. [1].

Os temas dos quadros de Tattin incluem várias referências à cidade de ""Tejuco"", hoje conhecida como Diamantina. Talvez por isso, o bar ""Tejuco"" tenha sido bastante frequentado, na época, pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek, que também foi prefeito de Belo Horizonte e governador do estado de Minas Gerais.

Outras obras adornam o local. No hall de entrada do Amazonas Palace, por exemplo, pode-se admirar o painel de Theodoro Braga, inspirado nas culturas indígenas.

Tombamento[editar | editar código-fonte]

O projeto arquitetônico do prédio foi elaborado por Mazoni e Magalhães no estilo “protomoderno” e o imóvel foi tombado pelo patrimônio histórico da cidade em 2003. O estilo "protomoderno" é de marcante presença na cidade de Belo Horizonte, a primeira cidade construída e planejada para ser capital de um estado no Brasil, e refletindo o espirito de grande desenvolvimento e modernização do Brasil dos anos 50.

Localização[editar | editar código-fonte]

O Amazonas Palace localiza-se bem no centro do quarteirão do único trecho de mão única da grande Avenida Amazonas em Belo Horizonte. Sendo uma das principais e mais movimentadas avenidas da cidade, nesse trecho entretanto, ela abriga as famosas palmeiras imperiais, que sombreiam o caminho de calçadas largas entre as Praças Sete e da Estação, passando por diversos bares e restaurantes com comida típica local.

Referências