Análise do valor limite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Análise do Valor Limite é uma técnica de teste de software utilizada para exercitar os limites do domínio de entrada. Considerada um complemento do Particionamento de Equivalência (ou Classes de Equivalência), focalizando a seleção de Casos de Teste nas bordas da classe, ou seja, nos valores próximos às extremidades das classes.

A análise do valor-limite considera também o domínio de saída para derivar Casos de Teste.

Utiliza as regras de faixa de valores, valor específico entre outros limites, como tamanho das estruturas de dados.

Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde novembro de 2007). Ajude e colabore com a tradução.

Aplicação[editar | editar código-fonte]

Os valores esperados de entrada e saída devem ser extraídos da especificação do componente. Os valores de entrada e saída para o componente do software são então agrupados em conjuntos com fronteiras identificáveis. Cada conjunto, ou partição, contém valores que se espera que sejam processados pelo componente da mesma forma. A maneira como é realizado o particionamento de faixas de dados de teste é explicada pela técnica de projeto de caso de teste chamada particionamento de equivalência. É importante considerar ambas as partições válidas e inválidas quando se projetam casos de teste.

Para um exemplo onde os valores de entrada são meses do ano expressos como inteiros, o parâmetro de entrada 'mês' deve ter as seguintes partições:


                       ... -2 -1  0 1 .............. 12 13  14  15 ..... 
                     -------------| |-----------------| |------------------- 
               partição inválida 1    partição válida     partição inválida 2

Os limites são os valores que envolvem o começo e o fim da partição válida. Se possível, casos de teste devem ser criados para geras entradas ou saídas que coincidem com ambos os lados de cada fronteira, incluindo o valor da própria fronteira. Isto resultaria em três casos por fronteira. Os caso de teste em cada lado da fronteira devem estar no menor incremento possível para o componente sob teste. No exemplo acima existem valores de limite em 0, 1, 2 e 11, 12, 13. Se os valores de entrada forem definidos como do tipo decimal com duas casas decimais, então o menor incremento seria de 0,01.

Quando o valor limite cai dentro de uma partição inválida, o caso de teste é projetado para garantir que o componente de software trata o valor de uma maneira controlada. A análise do valor limite pode ser usada através o ciclo de teste e é igualmente aplicável para todas as fases de teste.

Após se ter determinados os casos de teste necessários com particionamento de equivalência e uma análise subseqüente do valor limite, é necessário definir as combinações dos casos de teste quando existem múltiplas entradas para um componente de software.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

PRESSMAN, R. Engenharia de Software. – Sexta Edição. São Paulo McGraw-Hill, 2006.

DELAMARO, M.E., MALDONADO, J.C., JINO, M. Introdução ao Teste de Software. Rio de Janeiro, Editora Campus, 2007

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]