Anais dos Caqchiqueles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2010)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Os Anais dos Caqchiqueles (em espanhol Anales de los Cakchiqueles, também conhecido pelos títulos alternativos em espanhol Anales de los Xahil, Memorial de Tecpán-Atitlán e Memorial de Sololá), é um livro escrito na língua caqchiquel por Francisco Hernández Arana Xajilá em 1571 e completado pelo seu neto, Francisco Rojas em 1604. O livro relata a história, mitologia e lendas do povo caqchiquel.

O livro foi guardado na localidade de Sololá junto do lago de Atitlán, Guatemala, até à sua descoberta em 1844, e subsequentemente traduzido pelo abade Charles Etienne Brasseur de Bourbourg em 1855 (o mesmo tradutor do Rabinal Achí). A parte mítica e lendária, preservada oralmente ao longo de séculos, foi finalmente recolhida e mantida por membros do tinamit (clã) Xahil. A narrativa histórica continua com os feitos de reis e guerreiros e suas várias conquistas, a fundação de aldeias, e a sucessão de governantes até à época da conquista espanhola.

Tal como o Popol Vuh, os anais identificam a quase lendária Tulan como o local de onde todos eram originários, pelo menos a dada altura das suas várias migrações. Os textos diferem de outras fontes como a Historia de los Xpantzay de Tecpán Guatemala e O Título de Totonicapán, mas sobretudo do Popol Vuh, ao relatarem que os ancestrais caqchiqueles chegaram a Tulan, ch'aqa palow "através do mar", desde r(i) uqajib'al q'ij, "onde o sol desce, o oeste." A narrativa caqchiquel é bastante triste, descrevendo a partida dos ancestrais de Tulan acompanhada de maus augúrios e pressagiando morte e desapontamento. Faz também referência aos governantes quichés forçando o rei Q'uicab, O Grande a abandonar Chaiviar, Chichicastenango, e a dirigir-se para as montanhas Razamut para fundar Iximché, a capital caqchiquel à chegada dos conquistadores espanhóis.

O documento caqchiquel continua com um relato das suas viagens e dos lugares por onde passaram, terminando com um relato sóbrio e factual da conquista espanhola. Trata-se pois, da história nativa da conquista da Guatemala do ponto de vista dos vencidos, incluindo uma referência ao último rei caqchiquel Belejep-Qat, acabando os seus dias buscando ouro nos rios.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.