Arabsat 4A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arabsat 4A
Arabsat 4A
Localização orbital 26° E (planejado)
Lançamento 28 de fevereiro de 2006 (13 anos)
Veículo Proton-M/Briz-M
Operador Arábia SauditaArabsat
Vida útil 15 anos
Fabricante Astrium (prime)
Alcatel Space (payload)
Cobertura Oriente Médio
África
Órbita Geoestacionária
Peso 3.341 kg
Designação COSPAR 2006-006A

O Arabsat 4A (também conhecido por Badr 1) foi um satélite de comunicação geoestacionário árabe que foi construído pelas empresas Astrium e Alcatel Space. Ele estava planejado para ser colocado na posição orbital de 36 graus de longitude leste e era para ter sido operado pela Arabsat. O satélite foi baseado na plataforma Eurostar-2000+ e sua vida útil estimada era de 15 anos.[1] Devido a uma falha no veículo de lançamento, o satélite foi deixado em uma órbita intermediária e não pode ser utilizado para a sua finalidade pretendida.

História[editar | editar código-fonte]

Em 22 de outubro de 2003, a Arabsat, o operador de satélites de comunicações baseado em Riade, Arábia Saudita, realizou uma cerimônia de assinatura de contrato para a fabricação e lançamento de dois satélites de comunicação (o Arabsat 4A e o Arabsat 4B) para a quarta geração de satélites Arabsat, com base na plataforma de satélite Eurostar-2000+ da Astrium.

Para este programa, a EADS Astrium formou uma equipe com a Alcatel Space. A EADS Astrium, como contratante principal para a construção da série Arabsat-4, projetou e construiu a nave espacial, forneceu as plataformas, atualizou os centros de controle de solo da Arabsat e entregou os satélites em órbita em nome da Arabsat. A Alcatel Space forneceu as cargas úteis.[1]

Programado para entrar em serviço em 2006, o satélite Arabsat 4A iria fornecer serviços de comunicações sobre uma vasta área na região do Oriente Médio. Mas o mesmo foi perdido no espaço, devido a uma falha no estágio superior Briz-M do veículo lançador.

Em junho de 2006, o terceiro satélite da série, o Arabsat 4AR, foi ordenado como um substituto para o perdido Arabsat 4A.[1]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O satélite foi lançado ao espaço no 28 de fevereiro de 2006, às 20:10 UTC, por meio de um veículo Proton-M/Briz-M, por meio de um veículo Proton-M/Briz-M, que foi lançado a partir do Cosmódromo de Baikonur no Cazaquistão. Ele tinha uma massa de lançamento de 6.000 kg[1]

Capacidade e cobertura[editar | editar código-fonte]

O Arabsat 4A era equipado com 24 transponders em banda C e 16 em banda Ku para fornecer serviços de áudio, vídeo e internet para todos os países árabes.[1]

Falha[editar | editar código-fonte]

O satélite não chegou a órbita planejada devido a uma falha no estágio superior Briz-M do veículo lançador Proton-M.[2][3][4] Depois de avaliar a manobra lunar fly-by para resgatar o satélite e após constatado não ser possível e, medida que o satélite devido a esse erro não era capaz de cumprir os seus deveres, a Arabsat optou por deixá-lo queimar na atmosfera da Terra. Em 24 de março de 2006 às 00:20 UTC, o motor do satélite foi acionado para abrandá-lo, após às 02:07 UTC o satélite mergulhou na atmosfera da Terra e queimado sobre o Oceano Pacífico. Eliminando assim o risco de uma colisão no futuro, bem como o risco de detritos produzir uma explosão.[5] O restante do estágio superior Briz-M que estava em uma órbita elíptica explodiu em 19 de fevereiro de 2007 e deixou uma nuvem de cerca de 1000 peças de detritos, aumentando a poluição na órbita terrestre.

Referências

  1. a b c d e «Badr 1, 4, 6 / Arabsat 4A, 4B, 4AR» (em inglês). Gunter's Space Page. Consultado em 4 de fevereiro de 2014 
  2. «Proton rocket fails in Arab satellite launch» (em inglês). Spaceflight Now. Consultado em 4 de fevereiro de 2014 
  3. «Mystery Over Australia» (em inglês). APOD: 22 February 2007. Consultado em 4 de fevereiro de 2014 
  4. «A Rocket Debris Cloud Drifts | publicado APOD: 26 February 2007» (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2014 
  5. «Update: Breeze-M Explodes in Orbit Creating Debris Cloud» (em inglês). Space Safety Magazine. Consultado em 4 de fevereiro de 2014