Arquitetura empresarial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A arquitetura empresarial (AO 1945: arquitectura empresarial) é a prática de aplicar um método compreensivo e rigoroso, para descrever:

  • Uma estrutura para um processo organizacional, presente ou futuro;
  • Sistemas de Informação;
  • Recursos Humanos
  • Subunidades organizacionais, etc.

para que se possa alinhar com os objectivos principais e direcções estratégicas de uma organização. Por vezes, este termo, é associado estritamente com as Tecnologias de Informação (TI), o que o relaciona mais amplamente com uma prática de optimização de negócio em vez de que numa relação de arquitectura de negócio, performance da gestão e também arquitectura de processos.

Arquitectura Empresarial é considerada uma prática significante dentro do Governo Federal dos EUA, como um meio de endereçar persistentemente desvantagens em investimentos de TI. Companhias como a BP, Intel e VW, também têm Arquitecturas Empresariais implementadas para melhorar as suas arquitecturas de negócio de forma a aumentar a performance de negócio e produtividade.


Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Economia e negócios


Metodologias de Arquitectura Empresarial[editar | editar código-fonte]

A prática da Arquitectura Empresarial envolve a aplicação de uma framework para descrever uma arquitectura ‘como é’ e ‘como está’. Estas frameworks detalham a organização, papeis, entidades e relações que existam ou deveriam existir, bem como um conjunto de processos de negócio. Esta framework irá fornecer uma taxionomia e ontologia rigorosas que claramente identificam o que é responsável pela performance de um processo e informação detalhada acerca de como esses processos são executados. O produto final é um conjunto de artefactos que descrevem num conjunto de graus de detalhe exactamente o quê e como um negócio opera e quais os recursos que são necessários. Estes artefactos são por vezes apresentados na forma de gráficos.

Dada esta descrição detalhada, àqueles que tomam as decisões, são-lhes fornecidos os meios para tomar decisões informadas acerca de como investir recursos, onde realinhar os objectivos e processos organizacionais e quais as políticas e procedimentos que irão suportar as missões fundamentais ou funções de negócio. Uma Arquitectura Empresarial forte fornece ajudas para responder a questões básicas como:

  • A arquitectura actual está a suportar e a adicionar valor para a organização?
  • Como é que uma arquitectura pode ser modificada para que possa adicionar mais valor para a organização?
  • Baseado em tudo o que sabemos como a organização quer atingir os seus objectivos no futuro, irá esta arquitectura actual suportar tais objectivos?

A implementação de arquitecturas organizacionais começa geralmente com a documentação da estratégia da organização e outros detalhes necessários como por exemplo: onde e como ela opera. O processo então parte numa cascata descendente para uma documentação as competências fundamentais, processos de negócio e como a organização interage com ela própria e com partidos exteriores tais como: clientes, fornecedores e entidades governamentais.

Estando a estratégia e estrutura da organização documentados, o processo da arquitectura flúi descendentemente para os componentes discretos de TI, tais como:

  1. Gráficos organizacionais, actividades e fluxos de processos de como operam as TI Organizacionais;
  2. Ciclos organizacionais, períodos e timing;
  3. Fornecedores de tecnologias de hardware, software e serviços;
  4. Aplicações e software, inventários e diagramas;
  5. Interfaces entre aplicações – que são: eventos, mensagens e fluxos de dados;
  6. Intranet, Extranet, Internet, Comércio Electrónico, links EDI com parceiros dentro e fora da empresa;
  7. Bases de Dados e modelos de suporte;
  8. Hardware, plataformas e hosting: servidores, e localização de onde são mantidos;
  9. Local and Wide Área Networks, diagramas de conectividade de Internet.

Sempre que possível, todos os pontos mencionados anteriormente devem estar relacionados explicitamente com a estratégia organizacional, objectivos e operações. A Arquitectura Organizacional irá documentar o estado corrente das componentes técnicas mencionadas anteriormente, tal como o estado futuro desejado.

Um produto intermediário de um processo arquitectural é a compreensão do inventário da estratégia de negócio, processos de negócio, gráficos organizacionais, inventários técnicos, sistemas e diagramas de interface, topologias da rede e as relações externas entre eles. Os inventários e os diagramas são meramente ferramentas que suportam à decisão. Mas não é suficiente. Tem de ser um processo vivo.

A organização deve desenhar e implementar um processo que assegure um movimento contínuo desde o estado actual até a um estado futuro. O estado futuro irá ser uma combinação de um e mais:

  • erros que estão presentes entre a actual estratégia organizacional e a capacidade das TI organizacionais o suportar.
  • erros que estão presentes entre a futura desejada estratégia organizacional e a capacidade das TI organizacionais de a suportar.
  • actualizações necessárias e substituições que tenham de ser realizadas na arquitectura das TI baseada na viabilidade dos fornecedores, idade e performance do hardware e software, problemas de capacidade, requisitos conhecidos ou previstos em relatórios, e outros requisitos não explicitamente escritos pela gestão funcional organizacional.

Numa base regular, o estado actual e o estado futuro são redefinidos para permitirem à evolução da arquitectura, mudanças nas estratégia organizacional, e factores puramente externos, tais como as mudanças na tecnologia, requisitos dos fornecedores/revendedores/governos.

A Arquitectura Empresarial é o componente chave do processo de Governação das TI em qualquer organização de tamanho considerável. Mais e mais empresas estão a implementar um processo formal de Arquitectura Empresarial para suportar a governação e gestão das TI..

A Arquitetura Empresarial possibilita a criação de um modelo de execução do negócio que fornece a rastreabilidade entre os objetivos deste e os investimento de TI. Este modelo de execução, resulta de uma seleção criteriosa dos processos de negócio e sistemas de TI que devem ser reestruturados, integrados e padronizados.

O modelo de execução do negócio, fornece uma visão de como a TI se envolve na execução e como cada projeto de negócio ira tirar proveito deste modelo. Alguns dos benefícios advindos deste modelo para o negócio são: ambientes tecnologicos mais simples com custos mais baixos e maior agilidade para lançar novos produtos.

Frameworks da Arquitectura Empresarial[editar | editar código-fonte]

  • Zachman Framework
  • The U.S. Department of Defense (DoD) Architecture Framework (DoDAF)
  • The Open Group Architecture Framework (TOGAF)
  • United States Government Federal Enterprise Architecture (FEA)
  • Uma outra Framework para Arquitecturas Empresariais é a Extended Enterprise Architecture Framework (E2AF) from the Institute For Enterprise Architecture Developments.
  • Gartner Framework

Ver também[editar | editar código-fonte]