Arquivo Histórico Ultramarino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Arquivo Histórico Ultramarino é um organismo cultural e de investigação da administração pública portuguesa, integrado no Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), ao qual cabe arquivar, conservar e tratar tecnicamente a documentação existente nos seus depósitos, e outra, que interesse ao estudo e conhecimento da história colonial portuguesa e da sua administração ultramarina.

O Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), para além das suas funções de repositório documental, tem ainda por missão promover publicações relevantes para a história colonial portuguesa existentes nos seus arquivos, manter e disponibilizar os seus inventários e executar trabalhos gerais e especializados de catalogação.

O AHU promove ainda a realização de exposições de espécies documentais e outras iniciativas de carácter pedagógico ou cultural no âmbito da sua competência, bem como o desenvolvimento experimental de técnicas no âmbito do tratamento de documentos e arquivos.

A Biblioteca do AHU, incide sobre a expansão e presença portuguesas no mundo e na sua relação com outros povos e comunidades, incluindo estudos baseados em documentos do Arquivo, nomeadamente teses de mestrado e doutoramento, portuguesas e estrangeiras.

Possui um fundo superior a 50.000 volumes de monografias e de publicações correspondente a 680 títulos, algumas das quais remontam ao século XIX. Conta com um acervo de Livro Antigo/Reservados, de mais de 300 espécies, dos séculos XVII a XIX, dos quais se destacam os Boletins Oficiais das ex-colónias portuguesas, outras colecções de legislação colonial e estatísticas.

O fundo inicial, constituído em 1931 com as espécies provenientes da antiga Biblioteca do Ministério das Colónias, foi aumentado por compras. Após a extinção, em 1974, do Ministério do Ultramar, recebeu os acervos das várias bibliotecas deste ministério.[1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]