As Máscaras do Destino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As Máscaras do Destino
Autor(es) Florbela Espanca
Idioma português
País  Portugal
Género Contos
Editora Editora Marânus
Formato 21 cm.
Lançamento 1931
Páginas 147

As Máscaras do Destino é um livro de contos escrito por Florbela Espanca, publicado postumamente em 1931 pela Editora Marânus do Porto.

A obra é dedicada à memória do irmão da poetisa, Apeles Espanca, que faleceu tragicamente num acidente de aviação a 6 de Junho de 1927[1]. A sua morte teve um impacto enorme na vida da Florbela, que desde então, embora continue a colaborar no D. Nuno[2], a escrever poemas que provavelmente, já constituem o póstumo Reliquiae[3]; embora se esforce por fazer publicar o último livro de contos, e embora permaneça com a tarefa das traduções - ela se declara quase permanentemente deprimida, doente dos nervos, fumando em demasia e emagrecendo sensivelmente.”[4]

Florbela inicia o seu livro com a dedicatória a Apeles, o seu "Morto", a quem a autora dirige as palavras de exaltação e dor. O conto “O Aviador” é um visão mítica da morte do irmão amado.

Ao longo da leitura encontram-se frases de grande beleza e força. As expressões de desejo, carregadas de erotismo, exprimem as contradições na transição para a libertação da mulher. Porém, os contos por vezes parecem carecer de uma certa densidade. Um excessivo uso de palavras e imagens contribui para uma menos conseguida "análise profunda dos sentimentos e paixões", observa Y. Centeno[5]. Como nota a mesma escritora, quase permanente é a qualificação das mulheres em puras e impuras, em excelentes e megeras[6].

Conteúdo da obra[editar | editar código-fonte]

  • O Aviador
  • A Morta
  • Os Mortos não Voltam
  • O Resto é Perfume
  • A Paixão de Manuel Garcia
  • O Inventor
  • As Orações de Sóror Maria da Pureza
  • O Sobrenatural

Referências

  1. Maria Lúcia Dal Farra. Afinado desconcerto (contos, cartas, diário). São Paulo: Iluminuras, 2001. p. 62
  2. Jornal de Vila Viçosa cujo diretor era na época José Emídio Amaro
  3. Volume da poesia inédita de Florbela Espanca publicado por Guido Batelli em 1934
  4. http://www.prahoje.com.br/florbela/?page_id=2
  5. http://www.vidaslusofonas.pt/florbela_espanca.htm
  6. Ibidem