Asas (romance)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Крылья
Autor (es) Mikhail Kuzmin
Idioma Russo
País  Rússia
Género Ficção russa
Lançamento 1930
Edição brasileira
Tradução Elias Ribeiro de Castro
Editora Ed. Z
Lançamento 2003
Páginas 175
ISBN 8589686043
Somov - The Lovers.jpg

Asas ( em russo: Крылья ) é um romance russo de Mikhail Kuzmin, publicado em 1906. Foi o primeiro romance russo de temática homossexual[1] e causou grande consternação no meio literário conservador da Rússia czarista[2].

Resumo do enredo[editar | editar código-fonte]

O romance trata da paixão do adolescente, um órfão, Vânia Smurov pelo seu mentor, Larion Strup, um pederasta que o inicia na descoberta do mundo da arte Clássica, Renascentista e Romântica. No final da primeira parte, Vânia fica chocado quando descobre que o objeto da sua admiração frequenta um banho público para homossexuais. Para por em ordem os seus sentimentos, Vânia retira-se para a província, na região do Volga, mas a sua experiência nauseante com as mulheres do campo, cujos incentivos para que ele desfrute a sua juventude não são mais que tentativas desajeitadas de sedução, induz Vânia a aceitar o convite de um dos seus professores para o acompanhar numa viagem por Itália. Na última parte do romance, Vânia e Strup, que também está em Itália, são vistos a desfrutar o clima suave do Mediterrâneo e as obras de arte deslumbrantes de Florença e Roma, enquanto o príncipe Orsini fala ao delicado jovem sobre a arte do hedonismo[3].

Receção[editar | editar código-fonte]

Embora o romance tenha sido competentemente escrito num estilo elegante e original, a sua receção ficou marcada pelo escândalo[2]. O tema central, de grande sensualidade estetizada, gerou comparações com as obras contemporâneas de Oscar Wilde e André Gide[4], que cobrem um território temático similar. Vladimir Nabokov parodiou a novela de Kuzmin no seu conto O olho vigilante, dando ao protagonista o nome de "Smurov", sendo "Vânia" uma rapariga. De acordo com Justin Torres, "Asas não é apenas uma obra esteticamente subversiva, é uma defesa franca da homossexualidade"[4].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The roots of Russian homophobia» (em inglês). Russia & India Report. Consultado em 25/08/2013 
  2. a b John E. Malmstad, Nikolaĭ Alekseevich Bogomolov. In: Harvard University Press. Mikhail Kuzmin: A Life in Art (em inglês). [S.l.: s.n.], 1999. p. 95.
  3. «Wings (from the backcover)» (em inglês). books.google.pt. Consultado em 25/08/2013 
  4. a b «Breaking the Ice of Russian Repression» (em inglês). advocate.com. Consultado em 25/08/2013