Balestilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Quadrante de Davis


A balestilha é um instrumento complementar da esfera armilar, formado por "virote" e "soalha", utilizado para medir a altura em graus que une o horizonte ao astro e dessa forma determinar os azimutes, antes e depois de sua passagem meridiana.[1] . A balestilha também é referida como "Báculo de Jacob".[2] [3] [4]

A versão do instrumento na imagem é própria para ser usada em alto mar, através de observações da altura do Sol na identificação da latitude do navio. A origem do seu nome remonta ou de “balhestra”, que significa besta, a arma medieval, ou, mais provavelmente, do árabebalisti”, que significa altura , nesse caso a vertical do astro.

História[editar | editar código-fonte]

Foi um instrumento náutico bastante utilizado pelos Portugueses na Época dos Descobrimentos, e a sua primeira descrição encontra-se no Livro de Marinharia de João de Lisboa em 1514.[5] No entanto, há descrições anteriores, atribuídas a Jacob Ben Machir Ibn Tibbon(Prophatius) e Levi Ben Gerson (Gersónides).[1] [6]

A primeira imagem da utilização de uma balestilha pode ser encontrada no Regimento de navegacion(1552) de Pedro Medina.

Balestilha no Regimento de navegacion(1552) de Pedro Medina

Terá sido o primeiro instrumento desta época para trazer o astro ao horizonte do mar, mesmo tendo aparecido depois do astrolábio e do quadrante.[7] Foi dos instrumentos náuticos mais utilizados durante os Descobrimentos portugueses.

Construção[editar | editar código-fonte]

É basicamente constituída por uma régua de madeira ("virote") na qual se coloca a "soalha" que corre na perpendicular em relação ao virote. A leitura do ponto onde se encontrava o astro era feita no ponto da escala gravada no virote onde a soalha se encontrava.

Utilização[editar | editar código-fonte]

Para medir a altura de uma estrela, que não seja o Sol, coloca-se o olho na extremidade do virote e desloca-se a soalha de modo que a aresta superior coincida com a estrela e a inferior com o horizonte. A altura da estrela é dada pela leitura do número que se encontra inscrito no ponto do virote onde fica a soalha.

Para saber a altura do sol, a acção não decorria virada de frente para o astro, mas sim de costas para este, para que a vista não fosse danificada pela intensidade da luz do sol o que limitava o seu uso em terra ou quando o sol encontrava-se perto do horizonte.

Referências

  1. a b K. M. Mathew (1988). History of the Portuguese navigation in India, 1497-1600 Mittal Publications [S.l.] pp. 16–. ISBN 978-81-7099-046-8. Consultado em 16 September 2011. 
  2. A balestilha
  3. IKOR, Olivier; “Caravelas – O Século de Ouro dos Navegadores Portugueses”; Casa das Letras, Alfragide, 2011; pg. 68
  4. Ver também: "“Ano Internacional da Astronomia – Dia 312 – Construção de uma balestilha”" (lido em 17/07/2011)
  5. Goldstein, B. R. (2011). Levi ben Gerson and the Cross Staff Revisited (PDF). Aleph 11 [S.l.: s.n.] pp. 365–383. 
  6. Fuat Sezgin (2007). Mathematical Geography and Cartography in Islam and Their Continuation in the Occident: Historical presentation, pt. 1-2 Institute for the History of Arabic-Islamic Science [S.l.] ISBN 978-3-8298-0061-7. Consultado em 16 September 2011. 
  7. Luís Henrique Dias Tavares (1999). O primeiro século do Brasil: da expansão da Europa Ocidental aos governos gerais das terras do Brasil EDUFBA [S.l.] ISBN 978-85-232-0181-4. Consultado em 16 September 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Balestilha