Bioarqueologia medieval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esqueleto medieval em caixão aberto

A bioarqueologia medieval é o estudo de restos humanos recuperados de sítios arqueológicos medievais. Bioarqueologia visa compreender as populações através da análise de restos de esqueletos humanos e esta aplicação da bioarqueologia visa especificamente compreender as populações medievais.[1][2][3][4]

Referências

  1. Miszkiewicz, Justyna Jolanta (1 de janeiro de 2015). «Linear Enamel Hypoplasia and Age-at-Death at Medieval (11th–16th Centuries) St. Gregory's Priory and Cemetery, Canterbury, UK». International Journal of Osteoarchaeology. 25 (1): 79–87. ISSN 1099-1212. doi:10.1002/oa.2265 
  2. Walker, Phillip, Rhonda R. Bathurst, Rebecca Richman, Thor Gjerdrum, and Valerie A. Andrushko (2009). «The Causes of Porotic Hyperostosis and Cribra Orbitalia: A Reappraisal of the Iron-Deficiency-Anemia Hypothesis» (PDF). American Journal of Physical Anthropology. 139 (2): 109–125. PMID 19280675. doi:10.1002/ajpa.21031. Arquivado do original (PDF) em 11 de setembro de 2015 
  3. Grauer, A. L. (1 de junho de 1993). «Patterns of anemia and infection from medieval York, England». American Journal of Physical Anthropology. 91 (2): 203–213. ISSN 1096-8644. PMID 8317561. doi:10.1002/ajpa.1330910206 
  4. Piontek, J.; Kozlowski, T. (1 de maio de 2002). «Frequency of cribra orbitalia in the subadult medieval population from Gruczno, Poland». International Journal of Osteoarchaeology. 12 (3): 202–208. ISSN 1099-1212. doi:10.1002/oa.615 
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.