Calirritmia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Calirritimia, no contexto, do ensino de música no Brasil nas décadas de 1930 e 1940 corresponde à preparação do aluno no ajuste de cada palavra do texto com o ritmo da música[1][2]. Na proposta de Heitor Villa-Lobos, a calirritmia é uma das finalidades do canto orfeônico, junto à califasia e a califonia

Origem do conceito[editar | editar código-fonte]

Para a compreensão do conceito de calirritimia é preciso identificar a utilização do conceito entre as décadas de 30 e 40 no Brasil. Neste período este termo foi empregado por Heitor Villa-Lobos em seu curso de Canto Orfeônico[3], porém isto não quer dizer que esta definição tenha sido criada pelo Educador Musical. Esta problematização é importante, já que este termo também era adotado em cursos de oratória e em estudos sobre os distúrbios da voz na área da saúde. Um exemplo desta utilização diversificada, é o Manual de califasia, califonia e calirritimia e a arte de dizer de Francisco da Silveira Bueno publicado pela primeira vez em 1933[4]. Até hoje esta bibliografia serve de referência para estudos na área da saúde, como por exemplo a fonoaudiologia[5]. Heitor Villa-Lobos, como outros profissionais, de diferentes campos do conhecimento, usufruiu desta definição, vista, em sua época, como um adjetivo que caracterizava uma prática que buscava primazia, no qual era desenvolvida para o alcance dos objetivos específicos propostos por cada uma destas áreas.

Categoria:Educação musical

Referências

  1. ÁVILA, Marli Batista. A obra pedagógica de Heitor Villa-Lobos - uma leitura atual de sua contribuição para a educação musical no Brasil. USP (Tese de Doutorado), 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-29102010-125844/pt-br.php. Acesso em 25 set. 2016.
  2. SANTOS, Elias Souza dos. Educação musical escolar em Sergipe: uma análise das práticas da disciplina Canto Orfeônico na Escola Normal de Aracaju (1934-1971). USP (Dissertação de Mestrado), 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-29112012-104629/pt-br.php. Acesso em 25 set. 2016.
  3. SANTOS, Elias Souza dos. Educação musical escolar em Sergipe: uma análise das práticas da disciplina Canto Orfeônico na Escola Normal de Aracaju (1934-1971). USP (Dissertação de Mestrado), 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-29112012-104629/pt-br.php. Acesso em 25 set. 2016.
  4. FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. Lições de patriotismo na obra “páginas literárias” de Francisco Silveira Bueno:formando meninos na década de 1940. USP, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/11925/13702.Acesso em 25 set. 2016.
  5. VIEIRA, Elisabete. Enunciação e clínica dos distúrbios de linguagem: um estudo do que se fala da fala de uma criança. UFRGS (Dissertação de Mestrado), 2010. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/27141/000763226.pdf?sequence=1. Acesso em 25 set. 2016.