Carpideira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Representação de uma carpideira, suspeito de representar Isis enlutando Osíris. 18a dinastia, 1550–1295 aC. Terracota

Carpideira é uma profissional feminina cuja função consiste em chorar para um defunto alheio. Os homens eram considerados impróprios para isso porque deveriam ser fortes e líderes da família, não dispostos a mostrar qualquer tipo de emoção crua como a tristeza.

É feito um acordo monetário entre a carpideira e os familiares do defunto, a carpideira chorava e mostrava seus prantos sem nenhum sentimento, grau de parentesco ou amizade.[1][2][3]

A profissão existe há mais de 2 mil anos.[carece de fontes?] Mencionada na Bíblia[4] e em outros textos religiosos, a ocupação é amplamente invocada e explorada na literatura, desde os épicos ugaríticos do início dos séculos AC à poesia moderna. Há também menções às carpideiras em documentações iconográficas e documental da Antiguidade e, em alguns países do mundo, diferentes culturas continuam praticando usos semelhantes.

Seu uso sempre foi variável no ritual fúnebre, desde a possibilidade de infectar ou causar imitações de choro nos familiares para realizar uma catarse de luto, até para aumentar a importância social de um falecido. Algumas culturas creem que o uso das carpideiras traz uma certa aplicação religiosa e histórica às procissões fúnebres. De acordo com Tom Lutz, em seu livro “A História Cultural das Lágrimas”, nos tempos antigos, o luto dos enlutados ajudava a limpar a alma do falecido e a trazê-lo à plenitude.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, as carpideiras chegaram junto com a colonização portuguesa. Inicialmente o pagamento não era feito em dinheiro, mas com bens da família do defunto.

Itha Rocha é a carpideira mais conhecida no Brasil. Já chorou em velórios de pessoas como como Lady Diana e Clodovil Hernandes e chega a ganhar até 300 reais por trabalho.

Em Outras Culturas[editar | editar código-fonte]

  • No Egito antigo, as carpideiras "faziam uma exibição ostensiva de pesar, que incluía gemidos altos, batidas nos peitos expostos, sujando o corpo com sujeira e cabelos despenteados; todos os sinais de comportamento descontrolado, o distúrbio da tristeza" (Capel, 1996).
  • Na Índia, as carpideiras, conhecidas como "Rudaali", eram comuns, especialmente no estado indiano ocidental do Rajastão.
  • A prática foi difamada na Revolução Cultural Chinesa, e ainda é praticado na China e em outros países asiáticos.

Aparições na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Músicas[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

  • O filme mexicano "Elvira, te daría mi vida pero la estoy usando" de Manolo Caro, tem como personagem principal uma mulher que, devido às circunstâncias, precisa se tornar uma carpideira.
  • O filme indiano "Rudaali" (1993), dirigido por Kalpana Lajmi e ambientado no Rajastão, é sobre a vida de uma carpideira profissional, ou Rudaali.[5]
  • O mini-documentário indiano "Tabaki" (2001), dirigido por Bahman Kiarostami, segue a vida de capideiras.[6]
  • O filme filipino "Crying Ladies" (2003), dirigido por Mark Meily, segue a vida de três mulheres que trabalham como carpideiras, ambientadas nas Filipinas.[7]
  • O filme japonês "Miewoharu" (2016), dirigido por Akiyo Fujumura. Está centrado em torno de Eriko, uma mulher que volta para sua cidade natal para lamentar sua irmã. Depois de passar 10 anos em Tóquio, seguindo uma carreira de atriz, ela descobre sua vocação como carpideira.[8]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • No romance de referência de Honoré de Balzac, Le Père Goriot (1835), o funeral do personagem-título é assistido por duas carpideiras, e não por suas filhas.[9]
  • No romance Howards End (1910), de E. M. Forster, para o funeral de sua esposa, Charles Wilcox contrata carpideiras "do distrito da mulher morta, para quem as roupas pretas foram servidas".[10]
  • No romance Ways of Dying (1995), de Zakes Mda, Toloki é uma carpideira por conta própria.[11]
  • Em seu romance de 2014, Ghost Month, o autor Ed Lin afirma que os profissionais estão disponíveis para locação na Taiwan contemporânea.

Referências

  1. S.A., Priberam Informática,. «Significado / definição de carpideira no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 3 de agosto de 2017 
  2. Michaelis Dicionário Prático da Língua Portuguesa. [S.l.: s.n.] 2001. ISBN 978-85-06-05768-1 
  3. Chagas, Henrique (12 de fevereiro de 2009). Lua na casa três. [S.l.]: Kbr Editora Digital. ISBN 9788564046269 
  4. «Mourning: Hired Mourners». Bible Hub 
  5. «Rudaali». University of Iowa. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  6. «Tabaki». IMDB. Consultado em 29 de maio de 2015 
  7. «Crying Ladies». IMDB. Consultado em 16 de setembro de 2017 
  8. «Miewoharu». IMDB. Consultado em 21 de setembro de 2017 
  9. Balzac, Honoré de. Father Goriot. (The Works of Honoré de Balzac. Vol. XIII.) Philadelphia: Avil Publishing Company, 1901.
  10. Forster, E. M. Howards End. New York: G.P. Putnam's Sons, 1910.
  11. Zakes., Mda (2002). Ways of dying : a novel 1st Picador USA ed. New York: Picador USA. ISBN 978-0-312-42091-8. OCLC 49550849  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Carpideira