Caso Milton Verdi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Milton Verdi.

Caso Milton Verdi foi um notório acidente aéreo protagonizado pelo piloto brasileiro Milton Verdi e seu cunhado, no território boliviano, em 1960. Após um pouso de emergência numa clareira na selva, Milton passou mais de dois meses sobrevivendo à fome, sede e frio, mas faleceu de inanição, deixando anotações sobre seus últimos dias no verso de mapas e revistas. O caso comoveu os brasileiros graças às notícias que circularam na época. A aeronave foi recuperada apenas no ano 2000, com autorização da família do piloto e está exposta junto a um diorama do acidente, no Museu TAM, na cidade paulista de São Carlos.[1]

O Acidente[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de agosto de 1960 o piloto rio-pretense Milton Terra Verdi (8 de agosto de 1934 – 7 de novembro de 1960) e seu cunhado Antonio Augusto Gonçalves (? - 7 de setembro de 1960) fizeram um pouso forçado com um Cessna140 numa clareira na selva boliviana,[2] tentando concluir o trajeto entre Corumbá e Santa Cruz de La Sierra,[3] a fim de comprar um motor de avião. Eles haviam saído da rota e fizeram a aterrissagem forçada por falta de combustível.[4] Enquanto lutavam pela vida, o pai de Milton tentava vencer a burocracia do Estado brasileiro e conseguir ajuda por parte dos órgãos responsáveis, mas em vão. Assim, no dia 7 de setembro o cunhado de Milton não resiste às condições adversas da primeira semana após o acidente e morre, pois num momento de delírio e sede extrema decidiu beber combustível do avião. Milton conseguiu manter-se vivo e lúcido por cerca de 70 dias, pois logo após a morte de seu cunhado houve alguns dias chuvosos, além de eventualmente comer pássaros e jabutis que conseguia abater. Porém morreu de inanição, presumivelmente, entre os dias 5 e 6 de novembro de 1960. Os corpos foram encontrados no dia 24 de dezembro daquele mesmo ano e chegaram à cidade de São José do Rio Preto no dia 4 de janeiro de 1961, onde estão enterrados. Atualmente, a área do acidente se situa nas imediações do Parque Nacional y Área Natural de Manejo Integrado Kaa-Iya, próximo a Santa Cruz de La Sierra.

Os Registros[editar | editar código-fonte]

Milton ainda teve forças para escrever uma espécie de "diário" no verso de mapas e revistas que estavam na aeronave. Posteriormente, após os corpos terem sido encontrados, o advogado Walter Dias, tio de Milton, reuniu, organizou e publicou tais anotações em forma de folhetins no jornal sul-riograndense A Última Hora, transformando-os num segundo momento no livro "O Diário da Morte: a tragédia do Cessna 140",[5] que até o ano de 2010 contava com duas edições esgotadas. Nos registros de Milton, relata-se como nota do 9º dia uma mensagem direcionada a sua esposa:

O Reconhecimento Póstumo[editar | editar código-fonte]

Diorama no Museu Tam

Além do livro publicado por seu tio, o advogado Walter Dias, e do diorama do acidente no Museu Asas de um Sonho, na cidade paulista de São Carlos, Milton Verdi foi agraciado com o nome de um logradouro na cidade paulista de Fernandópolis, a Avenida Milton Terra Verdi. Relata-se ainda que o túmulo de Milton Verdi, localizado no Cemitério da Ercília, na cidade natal do piloto, São José do Rio Preto, tornou-se alvo de romarias e peregrinações de pessoas que levam centenas de copos d'água, simbolizando o reconhecimento por pedidos que, como acreditam, foram atendidos.

Referências

  1. Hangar20: Reformulado, o Museu TAM expõe 72 aviões históricos
  2. A partir da descrição de Walter Dias em seu livro "Diário da Morte", presume-se que as coordenadas do acidente sejam Latitude: -18.71618 e Longitude: -61.35791. No local visualiza-se uma clareira com 200m livres para pouso, com relativa coicidência com algumas referências descritas, como a distãncia de 120 km de San José de los Chiquitos e 110 km da linha férrea (sentido Norte). Walter Dias afirma que atualmente há muita água no local e, pela imagen da referida coordenada, pode-se visualizar um lago formado.
  3. Diário de Votuporanga: Avião pode ter batido antes de explodir
  4. Diário Web: Mulher perde filho e marido em acidente aéreo
  5. Última Hora: experiência de nacionalismo popular ou populismo nacionalista?

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DIAS, Walter. Diário da morte: a tragédia do Cessna 140. São Paulo: Edições Autores Reunidos, 1961. (duas edições esgotadas)
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.