Castelo de Rabati

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O castelo de Rabati (em georgiano: რაბათის ციხე) é uma fortaleza em Ajaltsije, na Geórgia. Originalmente estabelecido no século IX como o castelo de Lomisa, foi completamente reconstruído pelos otomanos. A maioria dos edifícios restantes data dos séculos XVII e XVIII.

História[editar | editar código-fonte]

Castelo de Rabati visto da cidade

De acordo com as Crônicas georgianas, a cidade foi fundada no século IX por Guaram Mampal, filho do rei do Tao.[1] Do século XIII até o final do século XIV, foi a capital de Samtskhe-Saatabago, governada pela família principesca georgiana (mtavari) e uma dinastia governante do Principado de Samtskhe, a Casa de Jaqeli.

Em 1393 a cidade foi atacada pelos exércitos de Tamerlão. Apesar das invasões turco-mongóis, a fortaleza resistiu e continuou a prosperar. Após o Tratado de Constantinopla em 1590, todo o território de Samtskhe-Saatabago permaneceu sob o domínio do Império Otomano. Os turcos usavam-no principalmente para construir edifícios defensivos. Em 1752, a primeira mesquita foi construída em Rabati.

O bispo John escreveu no final do século 18 que "apesar do fato de que grande parte da população tenha sido islamizada, ainda existe uma igreja ortodoxa em funcionamento". Depois que o Tratado de Gueórguiyevsk foi assinado entre o Reino de Kartli e o Império Russo, surgiu a questão do destino de Ajaltsije. A primeira tentativa de tomar a fortaleza em 1810 falhou. O príncipe Paskévich atacou com sucesso a fortaleza dezoito anos depois, na grande batalha de Akhalzic. Depois do Tratado de Adrianópolis, em 1829, os otomanos cederam parte da região de Akhaltiske.

Renovação[editar | editar código-fonte]

A fortaleza e seus edifícios adjacentes foram amplamente reconstruídos e renovados em 2011-2012 para atrair mais turistas para a área.[2]

Panorama do Castelo de Rabati

Referências