Caulim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Caulim ou caulino é um minério composto de silicatos hidratados de alumínio, como a caulinita e a haloisita, e apresenta características especiais que permitem sua utilização na fabricação de papel, cerâmica, tintas, etc.Na industria de papel é utilizado como material de enchimento (carga)Pode ser utilizado para adição ou substituição das argilas plásticas. Apresentam plasticidade e resistência mecânica, a seco.É de coloração branca e funde a 1800°C (temperatura nominal).

A palavra caulim deriva da palavra chinesa Kauling (colina alta) da colina de Jauchau Fu, ao norte da China, de onde o material tem sido obtido. É formado pela caulinita, em geral de cor branca ou quase branca, devida ao baixo teor de ferro. É um dos seis minerais mais abundantes da crosta terrestre e ocorre à profundidade até 10 metros. O caulim teve a sua utilização industrial na fabricação de artigos de porcelana há muitos séculos atrás. E a partir de 1920 teve início a sua aplicação na industria de papel, em seguida pelo uso na indústria da borracha. Mais recentemente, o caulim passou a ser utilizado na industrialização de plásticos, pesticidas, rações,produtos alimentícios,farmacêuticos, fertilizantes e outras variedades de aplicações industrias. O caulim, material formado por um grupo de silicatos hidratados de alumínio, principalmente caulinita e haloisita. Também podem ocorrer os minerais do grupo da caulinita: diquita, nacrita, folerita, anauxita, colirita e tuesita. O caulim sempre contém outras substâncias na forma de impurezas, desde traços até a faixa de 40 – 50% em volume, consistindo, de modo geral, de areia, quartzo, palhetas de mica, grãos de feldspato, óxidos de ferro e titânio, etc.

Fórmula química dos minerais do grupo da caulinita:Al2O3.mSiO2.nH2O,onde m varia de 1 a 3 e n de 2 a 4.

Caulino

Propriedades[editar | editar código-fonte]


Aplicações[editar | editar código-fonte]

O caulim é um bem mineral que apresenta um vasto campo de aplicações industriais, em função de suas características tecnológicas, pois é: a) quimicamente inerte, b) macio e não abrasivo, c) branco ou quase branco (alvura), d) tem capacidade de cobertura quando usado como pigmento, e)reforçador para as aplicações de carga, f)apresenta baixa condutividade térmica e elétrica (DA LUZ & DAMASCENO 1993). Segundo DA LUZ et. al (2003) “A rigidez nas especificações dos caulins depende do uso a que se destinam. A indústria do papel, divide os caulins em duas categorias de granulometria: fino com 90% < 2 µm e grosso com 50% < 2 µm

1) O tipo carga (filler) deve possuir as seguintes especificações:

  • caulinita > 90%, teor de Fe2O3 e TiO2 < 1%
  • baixo teor de quartzo (1-2%);
  • grau de alvura > 80%,
  • tamanho das partículas com 50 a 70% > 2mm

2) O tipo cobertura (coating) deve possuir as seguintes especificações:

  • caulinita entre 90%, e 100%, teor de Fe2O3(0,5 -1,8%) e TiO2(0,4 – 1,6%)
  • ausência de quartzo
  • grau de alvura > 85%,
  • tamanho das partículas de 80 a 100% < 2mm
  • viscosidade de Brookfield < 500 mPa.s.

A reciclagem do papel necessita também de uma nova aplicação desses tipos de caulim para sua segunda vida (HARBEN, 1995). Para as aplicações em cerâmica são requeridas: plasticidade, cor, ponto de vitrificação (PCE), retração linear e resistência mecânica à deformação. O caulim cerâmico deve possuir um teor de caulinta entre 75 e 85% e não ter minerais que afetem a cor de queima, como o Fe2O3, cujo teor deve ser menor que 0,9%, de modo que a cor de alvura, após a queima, esteja na faixa de 85-92% (DA LUZ et. al 2003). Para a indústria de cimento as especificações são menos rígidas, sendo a composição química importante. (DA LUZ & DAMASCENO 1993). O Caulim faz parte também da constituição do cimento Portland branco.Em medicina, é usado como absorvente de toxinas do aparelho digestivo e como base para muitos desinfetantes. Na fabricação de borracha de alta qualidade, para a confecção de luvas para fins médicos.

É usado também:

  • na fabricação de cosméticos sabões, pós dentifrícios e certos plásticos;
  • como carga de gesso para parede, revestimento de linóleos e oleados;
  • na preparação de tintas e pigmentos à base de anilina;
  • como veículo inerte para inseticidas, abrasivos suaves, endurecedor na indústria têxtil.Substâncias inertes, como barita e talco, podem ser substituídas pelo caulim, em muitos casos. No futuro o caulim poderá ser empregado, em escala comercial, como fonte de alumina, na produção de alumínio metálico.

Ocorrências[editar | editar código-fonte]

As estatísticas internacionais sobre caulim são bastante imprecisas e incompletas, denunciando um mercado produtor muito concentrado e competitivo, que reluta em divulgar informações.Seis países, Estados Unidos, Comunidade dos Estados Independentes, Coreia do Sul,República Tcheca,Brasil e Reino Unido,são responsáveis por 61,8% do total produzido, todos mantendo produções anuais acima de 2 milhões de toneladas.Outros produtores, com importância regional,são Alemanha, México, Turquia e Ucrânia, entre outros.Das reservas brasileiras classificadas como medidas e indicadas,97% encontram-se na região norte do país, nos estados do Pará, Amapá e Amazonas, porém há ocorrência de caulim em todos os estados da federação.

Descrição das Ocorrências[editar | editar código-fonte]

Ocorre sob a forma de alteração de feldspatos, feldspatóides e outros silicatos, durante o intemperismo químico e também hidrotermal em rochas cristalinas (caulim primário). Pode formar-se também por processos diagenéticos em bacias sedimentares.Portanto pode ser formado às expensas de muitos minerais e rochas e em quantidades consideráveis (caulim secundário).

Referências

DA LUZ, A. B.; DAMASCENO, E. C. (1993) Caulim um Mineral Industrial Importante. CETM/CNPq, Série Tecnologia Mineral No. 65, Rio de Janeiro, RJ. 29p. DA LUZ, A. B.; LINS, F. A. F.; PIQUET, B.; COSTA, M. J.; COELHO, J. M. (2003) Pegmatitos do Nordeste: Diagnóstico sobre o Aproveitamento Racional e Integrado. CETEM/MCT, Série Rochas e Minerais Industriais, No.9, Rio de Janeiro, RJ. p. 76-77. HARBEM, P. W. (19995) The Industrial Minerals Handbook. Industrial Minerals, Divison, London, 253p. KULAIF, Y. (2005). Caulim. IG/UNICAMP


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.