Cobogó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cobogó no Bloco A da Faet, UFMT, Cuiabá.

Cobogó é a denominação dada ao elemento vazado, normalmente feito de barro ou cimento, que completa paredes e muros para possibilitar maior ventilação e luminosidade no interior de um imóvel, seja residencial, comercial ou industrial.[1][2]

Seu nome deriva das iniciais dos sobrenomes de três engenheiros que no início do século XX (1929[2][3] [4] [5] ou 1930[6]) conjuntamente o idealizaram: Amadeu Oliveira Coimbra[7], Ernest August Boeckmann e Antônio de is[8].

Em muitos lugares do Nordeste do Brasil o nome sofreu algumas variações, tais como combobó, combogó, comogó, comongol, comogol, comungó[9][10].

Inicialmente, os cobogós eram feitos apenas de cimento. Com sua popularização passaram a ser moldados com outros materiais, como argila, vidro, cerâmica etc., variando também no formato e nos desenhos[11]

Referências

  1. BUARQUE DE HOLANDA FERREIRA, Aurélio. Novo Dicionário Aurélio.
  2. a b Dicionário, Prize .
  3. «Livro registra história do cobogó, ícone da arquitetura pernambucana». G1 Pernambuco. 3 de setembro de 2013 
  4. «Casos de Casa». Consultado em 20 de maio de 2014. Arquivado do original em 20 de maio de 2014 
  5. Revista Continente
  6. «Ver+Design». Consultado em 20 de maio de 2014. Arquivado do original em 20 de maio de 2014 
  7. Amadeu Oliveira Coimbra
  8. «Combogó, uma invenção local que se espalhou pelo Nordeste». www2.uol.com.br. Jornal do Commercio. 19 de abril de 1998. Consultado em 28 de junho de 2018 
  9. Cobogó/Combogó
  10. Comongol
  11. Cobogós

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cobogó