Colônia Militar de Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Colônia militar de Miranda)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Colônia militar de Miranda
Brazilian States.PNG
Construção (1859)

A Colônia militar de Miranda localizava-se a oitenta quilômetros a SSO de Nioaque, conforme indicado em mapa ilustrativo próximo às nascentes do rio Miranda (TAUNAY, s. d.:41), no atual município de Jardim estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Essa informação é ratificada pelo Exército brasileiro (EME, 1972:v. 2).

História[editar | editar código-fonte]

A partir de 1859 (1860 cf. SOUZA, 1885:139) foi fundada pela presidência da Província de Mato Grosso, seguindo orientação do governo imperial, uma Colônia militar no local, com a função declarada de auxiliar a navegação e o comércio entre a Província do Paraná e a do Mato Grosso. Implicitamente, deveria vigiar e guarnecer a fronteira do rio Apa com o Paraguai (EME, 1972 v. 2:514-516). O mapa ilustrativo nesta obra, à p. 515, figura inadvertidamente a Colônia Militar ao norte de Nioaque, lugar onde se localizava a vila. A informação correta encontra-se no mapa de TAUNAY (s.d.).

Este estabelecimento foi arrasado por forças paraguaias no início de 1865, mesmo ano em que a Comissão de engenheiros encarregada de reconhecer a área entre o rio Taquari (a norte) e o rio Miranda (a sul) relata não ter a posição qualquer valor estratégico, e pelo contrário, sendo foco de febres intermitentes (malária) (SOUZA, 1885:139).

Não confundir a Colônia de Miranda com a vila de Miranda, na região, ao norte, às margens do rio M'boteteí (rio Miranda), que, à época da Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), também esteve envolvida no mesmo episódio imortalizado por Taunay: a retirada da Laguna.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368p.
  • FERRAZ, Antônio Leôncio Pereira. Memória sobre as Fortificações de Mato Grosso (Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1930.
  • GALLO, José Roberto (Arq.). Fortificações de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: 8º DR/IPHAN/FNPM/MinC Escritório Técnico/MS, mar. 1986.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • LEVERGER, Augusto (Almte.). Apontamentos para o Diccionário Chorografico da Província do Mato Grosso. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVII, Partes I e II, 1884. p. 307-504.
  • SILVA, Jovam Vilela da. A lógica portuguesa na ocupação urbana do território mato-grossense. História & Perspectivas. Uberlândia: nº 24, jan.-jun. 2001.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.
  • TAUNAY, Alfredo d'Escragnolle. A Retirada da Laguna. s.l.: Edições Melhoramentos, s.d..

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]