Comunicação de Interesse Público

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Comunicação de Interesse Público (CIP) é um recurso que visa promover benefícios concretos à sociedade ou a partes dela[1], surgindo da necessidade da manifestação do exercício de cidadania através das ferramentas de comunicação. O seu objetivo natural é trazer resultados que promovam melhorias na compreensão e vivência de mundo. A CIP pode acontecer por meio da produção de filme, anúncio, evento, site, blog, cartaz, assessoria de imprensa ou qualquer outro produto ou serviço midiático.

Em termos gerais, é possível dizer que a CIP entrou na lista de prioridades da sociedade e de seus dirigentes no fim do século XX, quando a preocupação com sustentabilidade, responsabilidade social, democracia e cidadania se solidificou e passou a ocupar um espaço de maior prioridade para a sociedade[2]. De lá para cá, os moldes de exercício da CIP foram se revelando flexíveis e diversos. A comunicação política, comunicação institucional, as Parcerias Público-Privadas (PPP) e a comunicação mercadológica são exemplos de vertentes que encontraram lugar na Comunicação de Interesse Público.

Interesse Público ǂ Interesse do Público[editar | editar código-fonte]

A ideia de Interesse do Público está diretamente ligada a preferências particulares e subjetivas de um determinado grupo. O Interesse Público, por sua vez, se refere ao que é pertinente a um conjunto de princípios abstratos associados ao fortalecimento de valores que se propõem que a mídia promova em prol do bem-estar geral[3].

Origem do Termo e Aplicações[editar | editar código-fonte]

É difícil determinar um momento exato a respeito de quando o termo foi utilizado pela primeira vez, sobretudo no sentido como entende-se este modelo de comunicação hoje. No entanto, de acordo com o livro de João Roberto Vieira da Costa, Comunicação de Interesse Público – Ideias que movem pessoas e fazem um mundo melhor, podemos entender que: Toda vez que a comunicação busca o interesse público, promovendo resultados concretos para o indivíduo e a sociedade, estamos falando de Comunicação de Interesse Público[4].

A Comunicação de Interesse Público engloba a Comunicação Pública, a Publicidade de Interesse Público e o Jornalismo de Interesse Público, além de qualquer outra vertente da comunicação que comungue dos fundamentos primordiais da CIP. O cientista Pierre Zémor define o termo Comunicação Pública. A Comunicação Pública é a comunicação formal que diz respeito à troca e à partilha de informações de utilidade pública, assim como à manutenção do liame social cuja responsabilidade é incumbência das instituições públicas [5]. Ainda de acordo com o autor, esse modelo de comunicação é ou deveria ser praticado sobretudo pelo Estado. A Comunicação pública é um tipo de comunicação que prioriza o interesse público, contribuindo para a construção da cidadania. O conceito de interesse é relacional, pois gira sempre em torno da oposição entre um tipo de interesse e outro. Sendo relacional, é possível dizer que o interesse público é aquele que se opõe a interesses privados particulares, individuais e parciais. O interesse público é a relação entre a sociedade e o bem comum por ela perseguido, através daqueles que, na comunidade, têm autoridade[6].

Na maioria das vezes, os princípios e objetivos da CIP podem ser encontrados nas mesmas bases dos seguintes termos: Comunicação Pública, Jornalismo Público, Interesse Público.

Prática no Brasil[editar | editar código-fonte]

O livro Comunicação de Interesse Público, que reúne uma série de artigos acadêmicos, aborda, em alguns capítulos, campanhas organizadas pela Secretaria de Comunicação Social (Secom) do Governo Federal. A análise avalia exemplos de CIP bem-sucedida, como as campanhas “O melhor do Brasil é o brasileiro”[7] e “Aids: o front da informação”. De acordo com o artigo escrito[8] por Cristina Gutemberg, Flamínio Fantini e Flávio Serpa, os altos índices de óbitos pela doença decorrente do vírus HIV provocaram uma abordagem qualificada como sinistra e condenadora por parte da comunicação em geral. A partir de 1987, com a reestruturação das diretrizes, as novas campanhas passaram a promover a precaução em vez de apelar para a evidência de mortes. Essa guinada para um sentido completamente oposto e muito mais empático ajudou a consolidar – ao longo de cinco mandatos de presidentes – a importância do uso de preservativos e a ajudar na redução significativa do número de indivíduos infectados no país.

Em outro exemplo, a campanha pela valorização do povo brasileiro, intitulada “O melhor do Brasil é o brasileiro” caracteriza uma grande união de forças, num modelo de Parceria Público-Privada (PPP). O resultado do esforço de 450 empresas do setor privado junto ao Governo Federal resultou na elevação da autoestima do brasileiro, refletindo diretamente em setores como o de esporte e de turismo.

Em 2006, a nova/sb, agência de publicidade especialista em Comunicação de Interesse Público, lançou um blog homônimo reunindo ações e campanhas de comunicação de interesse público do mundo todo no portal IG. Em 2015, ganhou endereço próprio e incorporou o nome do projeto Desafio Comunica Que Muda, e incluiu ao seu acervo temas como a descriminalização da maconha, o suicídio, a intolerância, o lixo e a mobilidade[9].

Referências

  1. Costa, João Roberto Vieira da (2006). Comunicação de Interesse Público: ideias que movem pessoas e fazem um mundo melhor. São Paulo: Jaboticaba. p. orelha. ISBN 85-89894-48-7 
  2. Duarte, Jorge. «Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e Interesse Público». Espírito Santo: EDUFES. Consultado em 20 de abril de 2016 
  3. «"Coluna da Ouvidoria - Interesse Público ou Interesse do Público"». EBC. Consultado em 18 de abril de 2016 
  4. Costa, João Roberto Vieira da (2006). Comunicação de Interesse Público: ideias que movem pessoas e fazem um mundo melhor. São Paulo: Jaboticaba. p. 14. ISBN 85-89894-48-7 
  5. Zémor, Pierre (1995). La Communication Publique. Paris: PUF 
  6. «"Jornalismo e Informação de Interesse Público"». Revistas Eletrônicas PUC-RS. Consultado em 20 de abril de 2016 
  7. «"O melhor do Brasil é o brasileiro"». PropMark. Consultado em 22 de abril de 2016 
  8. Costa, João Roberto Vieira da (2006). Comunicação de Interesse Público: ideias que movem pessoas e fazem um mundo melhor. São Paulo: Jaboticaba. p. 35. ISBN 85-89894-48-7 
  9. «"Comunicação de interesse público"». Clube de Criação. Consultado em 18 de abril de 2016