Comunicação interatrial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A comunicação interatrial (CIA) é uma cardiopatia congênita caracterizada por uma abertura no septo interatrial, que permite a passagem do sangue do átrio esquerdo (alta pressão) para o átrio direito (baixa pressão).[1] É a mas comum das cardiopatias congênitas em adultos, visto que, com frequência, o paciente vive durante vários anos sem relatar sintoma algum.

O fluxo sanguíneo do átrio esquerdo para o átrio direito resulta em um aumento da saturação de oxigênio no átrio direito, ventrículo direito e tronco pulmonar. O fluxo pulmonar aumentado leva a um aumento da resistência arteriolar pulmonar e insuficiência cardíaca direita.

Pode ser diagnosticada por eletrocardiograma, raio X de tórax ou ecocardiograma, e seu tratamento é apenas cirúrgico.

Classificação[2][editar | editar código-fonte]

Manifesta-se em três formas mais comuns, a depender da região do septo interatrial acometida:

  • Ostium secundum (forame oval persistente), afeta a parte medial do septo interatrial e é a forma mais comum de CIA;
  • Seio venoso, afeta a parte superior do septo interatrial;
  • Ostium primum, afeta a parte inferior do septo interatrial.

Referências

  1. Dr. Tufi Dippe Jr (2 de abril de 2010). «Comunicação interatrial (CIA)». UOL.com.br. Consultado em 7 de abril de 2014. Arquivado do original em 25 de agosto de 2013 
  2. BRAUNWALD, E.; ZIPES, DP.; LIBBY, P. (2003). Tratado de Medicina Cardiovascular. São Paulo: Roca. pp. 198–199 
Ícone de esboço Este artigo sobre medicina é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.