Conselho de Governo Provisório das Forças Armadas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Conselho de Governo Provisório das Forças Armadas (em inglês: Armed Forces Provisional Ruling Council, AFPRC) é uma junta militar e governo de transição que assumiu o controle da Gâmbia em julho de 1994 após um golpe militar.

Os quatro oficiais do Exército, liderados pelo Tenente Yahya Jammeh, depuseram o governo de Dawda Jawara com a justificativa de acabar com a extensa corrupção e com um governo não democrático. A junta proibiu a atividade política da oposição.[1] O tenente Yahya Jammeh, presidente do Conselho de Governo Provisório das Forças Armadas, tornou-se chefe de Estado. Alguns meses depois, o capitão Sadibou Hydara, que era porta-voz da junta, e o capitão Sabali, vice-líder, foram acusados por Jammeh de conspirar um golpe de Estado e foram presos. O capitão Hydara foi torturado e morto na prisão.

O Conselho de Governo Provisório das Forças Armadas anunciaria um plano de transição para o regresso ao regime civil democrático. A Comissão Eleitoral Provisória Independente (CEPI) foi criada em 1996 para conduzir as eleições nacionais. O processo de transição incluiu a compilação de um novo cadastro eleitoral; a adoção de uma nova constituição por referendo em agosto do mesmo ano; eleições presidenciais em setembro daquele ano e eleições legislativas em janeiro de 1997, respectivamente. O Coronel Jammeh se reformou do exército para concorrer à presidência. Jammeh venceria as eleições e foi nomeado presidente da Gâmbia em 6 de novembro de 1996.[2]

Referências

  1. «El Ejercito de Gambia derroca al Gobierno con un golpe incruento». El País. 24 JUL 1994  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Country Report on Human Rights Practices for The Gambia, U.S. Department of State, March 4, 2002.