Neil Horan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cornelius Horan)
Ir para: navegação, pesquisa
Cornelius Horan
Nome completo Cornelius "Neil" Horan
Nascimento 22 de abril de 1947 (70 anos)
Scartaglin, Keyy
 Irlanda
Residência Londres
 Reino Unido
Nacionalidade irlandês

Cornelius "Neil" Horan (Scartaglin, 22 de abril de 1947) é um ex-padre irlandês que invadiu a pista da prova da Maratona das Olimpíadas de Atenas (2004), agarrando o maratonista brasileiro Vanderlei Cordeiro de Lima, que estava na primeira colocação da prova até aquele momento.[1] Horan foi condenado a 1 ano de prisão, mas pagou uma multa de 3 mil euros (equivalente a 10 mil reais) para sair livre.[2][3] Anteriormente, ele também havia invadido o circuito de Silverstone no Grande Prêmio da Grã-Bretanha de Fórmula 1, em 2003, vencida pelo piloto brasileiro Rubens Barrichello com a frase "Leia a Bíblia, ela está sempre certa".

Em 2005, segundo a Arquidiocese de Southwark, em Londres[4], ele foi expulso da igreja católica por conta de profecias do apocalipse[5]. "Eu rejeito completamente essa decisão. Apelarei a um tribunal superior, o de Jesus Cristo", disse o irlandês.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 26 anos, Cornelius foi ordenado padre, mas desde então nunca se tornou unanimidade na Igreja Católica, por conta de seus ideais.[3]

No início da década de 1990, ele publicou o livro "Um novo mundo de glórias está chegando", no qual externava seus estudos e profecias sobre o fim do planeta, sendo prontamente expulso da igreja irlandesa. Ainda por conta da publicação deste livro, em 2005, ele seria expulso da igreja católica da Inglaterra.[4]

Como não podia fazer suas pregações em igrejas, Cornelius passou a virar figura frequente em eventos de grande audiência e repercussão em todo mundo, para transmitir suas crenças. [3]

O primeiro grande evento que ele apareceu foi no Grande Prêmio de Silverstone de Fórmula 1 de 2003. Ele simplesmente invadiu a pista com cartazes que ordenavam: “leiam a Bíblia” e “a Bíblia está sempre certa”.[3]

Em 2004, antes dos Jogos Olímpicos, Horan invadiu o Derby de Epsom, tradicional prova de cavalos da Inglaterra, sendo retirado do evento apenas pela polícia.[3]

Em 29 de agosto de 2004, Horan invadiu a prova da maratona nos Jogos Olímpicos a segurou o então líder da prova Vanderlei Cordeiro de Lima, fato este que o fez ganhar fama no mundo todo.[3]

Em 2006, durante a Copa do Mundo da Alemanha, ele foi encontrado com cartazes de ataque a Hitler e planos de uma nova invasão. [3]

Em 2009, Cornelius participou do programa Britain’s Got Talent (a mesma edição que revelou a cantora Susan Boyle). Vestindo os mesmos trajes com os quais se tornou mundialmente conhecido, ele se apresentou dançando “soft jig”, tradicional da cultura irlandesa. Foi aprovado na primeira fase, mas os produtores disseram que “não o haviam reconhecido”. Na rodada seguinte, porém, acabou eliminado.[3]

Em 2012, nos Jogos Olímpicos de Londres, Horan novamente apareceu em público assistindo justamente à prova da maratona, mas foi cercado por policiais durante todo o tempo e ainda declarou torcida ao brasileiro Marilson Santos. No fim, o atleta verde e amarelo foi o quinto colocado, e Cornelius prometeu vir ao Rio de Janeiro para acompanhar os Jogos de 2016.[3]

Após ver Vanderlei Cordeiro de Lima sendo o protagonista da abertura dos Jogos Olímpicos do Rio, Cornelius deu uma entrevista ao jornal americano "New York Times", em que afirmou ficou com raiva.[5]

Referências

  1. Terra - Esportes (31 de Agosto de 2004). «"Nunca mais farei isso", diz invasor da maratona». Consultado em 23 de Dezembro de 2010 
  2. Irlandês que agrediu maratonista é condenado, mas só paga multa. folha.com.br. Acesso 6 de agosto 2016
  3. a b c d e f g h i Bruno Landi (29 de agosto de 2014). «Padre irlandês "assombrou" F1 e dançou em show de talentos». Esportes.terra.com.br. Consultado em 5 de outubr de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. a b c folha.uol.com.br/ Agressor de Vanderlei é expulso da igreja
  5. a b c globoesporte.globo.com/ Padre irlandês ataca, diz que Vanderlei roubou fama e quer méritos por 2004