Costa Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Costa Campos
Informação geral
Origem Luanda
País  Portugal
Género(s) Ópera

João Eduardo Costa Campos é um cantor lírico.[1] Aluno da insigne cantora norte-americana Grace Bumbry e da distinta Maestra Enza Ferrari, com quem actualmente trabalha canto e interpretação, de nacionalidade portuguesa, Costa Campos nasceu em Luanda, Angola, tendo-se licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa.

Passagens episódicas pelo teatro e cinema determinaram a frequência do curso de formação de actores na Escola Superior de Teatro e Cinema do Conservatório Nacional onde destaca o trabalho com Maria Germana Tânger e Águeda Sena.

Iniciou posteriormente os seus estudos de canto com Maria Cristina de Castro prosseguindo a sua formação com Hugo Casaes, Natália Viana, Elsa Saque (na Juventude Musical Portuguesa e no Conservatório Nacional) e Liliane Bizineche.

Membro efectivo do coro do Teatro Nacional de São Carlos aí aperfeiçoou a sua técnica com cantores como Ivo Vinco e Jeff Lawton. Com outros colegas gravou em CD os Madrigais Camoneanos de Luís Freitas Branco.

A sua estreia como solista aconteceu no Convento do Carmo (Lisboa) interpretando D. Basílio em “O Barbeiro de Sevilha” de Rossini sob a direcção do Maestro Jon Latham Koenig. Cantou o Judas de “O Nazareno” nos Coliseus de Lisboa e Porto, La Diva de “Zarzuelas Cabaret e Olé Olé” no Teatro São Luíz, o Marquês d’Obigny na produção de Pier Luigi Pizzi de “La Traviata” de Verdi no Teatro Nacional de São Carlos sob a batuta do Maestro Giuliano Carella e ainda o Senador Robert E. Lyons no musical de Gershwin “Of Thee I Sing” no Festival Internacional de Macau entre várias outras coisas.

No aperfeiçoamento do seu repertório trabalhou em Lugano – Suíça com o Maestro Jonathan Morris e em Salzburg – Austria com o Maestro Günter Bauer.

Iniciou-se na docência do canto no ano lectivo de 1998/1999 no Instituto de Artes do Espectáculo. Estruturou e dirigiu os cursos de canto da Casa do Artista e leccionou ainda na Academia de Marta Atayde.

Foi mentor do projecto Primo Canto Associação Cultural (uma associação sem fins lucrativos que tem como objectivos primordiais a promoção de espectáculos e recitais de canto com a finalidade de incentivar jovens cantores e cantoras em início de carreira, bem como proporcionar o seu aperfeiçoamento artístico) o que lhe permitiu expandir as suas capacidades não apenas como cantor mas como professor de canto,[2] encenador e director artístico de um projecto cénico-vocal.

Recentemente averbou um assinalável sucesso interpretando o Pai Cazumba na ópera portuguesa de António Leal Moreira "A Vingança da Cigana". Na presente temporada foi convidado a interpretar o Benoit em "La Bohème" de Puccini no Teatro Nacional São Carlos e a "encarnação" desse boneco valeu-lhe logo a seguir o Pretoriano da Agrippina de Haendel encenado por Michael Hampe.[3]

A convite da Meios de Cultura interpretou no C.C.C. o seu primeiro grande papel de Baixo-Profundo, Montesinos na ópera de Joseph Bodin de Boismortier[1], Don Quichotte chez la Duchesse onde arrebatou a plateia.

Referências

  1. «Vila Galé Ópera promove mais uma iniciativa das Delícias da Ópera». C&H. Consultado em 26 de abril de 2012 
  2. «Hotel Avenida Palace acolhe projecto musical». Hardmusica. Consultado em 26 de abril de 2012 
  3. «AGRIPPINA». Teatro Nacional de São Carlos. Consultado em 26 de abril de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]