Costela-de-adão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCostela-de-adão
Monstera deliciosa
Monstera deliciosa
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Alismatales
Família: Araceae
Género: Monstera
Espécie: M. deliciosa
Nome binomial
Monstera deliciosa
Liebm.

A costela-de-adão (Monstera deliciosa) é uma planta da família das aráceas. Possui folhas grandes, cordiformes, penatífidas e perfuradas, com longos pecíolos, flores aromáticas, em espádice comestível, branco-creme, com espata verde, e bagas amarelo-claras.

Esta planta é muito confundida com outra arácea, a banana de macaco (Philodendron bipinnatifidum), mas difere desta por apresentar furos nas folhas e recortes maiores e mais uniformes.

A espécie é nativa do México e é mundialmente cultivada como ornamental pelas belas e peculiares folhas, com segmentos que lembram costelas. Seu fruto é comestível e muito saboroso, daí seu nome científico, Monstera deliciosa.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Este membro da família Arum Araceae é um epífito com raízes aéreas, capaz de crescer até 20m de altura na natureza, com folhas grandes e grossas, brilhantes e em forma de coração, de 25 a 90cm de comprimento por 25 a 75cm de largura. As folhas das plantas jovens são menores e inteiras, sem lóbulos ou buracos, mas logo produzem folhas lobuladas e fenestradas à medida que crescem.[1] [2] Embora possa crescer muito alto na natureza, mede apenas entre 2 e 3m quando cultivada em ambientes fechados. As folhas são grandes de até 1m em forma de coração. Quanto mais antiga a planta, mais as folhas são cobertas com suas grandes perfurações familiares.

Mudas selvagens crescem em direção à área mais escura que podem crescer até encontrar um tronco de árvore, depois começam a crescer em direção à luz, subindo a árvore.[3]

A inflorescência é adornada com uma espátula branco creme de aparência uniforme e aveludada, cobrindo, como um capuz, uma espadice branca amarelada com 10 a 15 cm de altura e cerca de 3 cm de diâmetro. As flores são auto-polinizantes, contendo androecium e gynoecium. [4] Como elas contêm as duas estruturas, esta planta é capaz de se autopolinizar.

Fruta[editar | editar código-fonte]

Fruto Não Maduro

O fruto da Monstera Deliciosa tem até 25cm de comprimento e 3 a 5cm de diâmetro e parece uma espiga de milho verde coberta com escamas hexagonais. À medida que a fruta amadurece, essas escamas ou plaquetas caem da fruta, liberando um aroma forte e doce. O cheiro foi comparado a uma combinação de abacaxi e banana. [5] A fruta é comestível e segura para os seres humanos.[6]

Os frutos das plantas da Araceae (família Arum) geralmente contêm rafides e tricosclereídeos - estruturas semelhantes a agulhas de oxalato de cálcio. Na M. Deliciosa, frutas verdes que contêm essas estruturas cristalinas em forma de agulha podem causar irritação na boca.

Video: Folha de Costela de Adão desabrochando

Leva mais de um ano para que os frutos atinjam a maturidade.[3] O fruto primeiro mostra sinais de amadurecimento pelo amarelecimento das escamas mais baixas. À medida que amadurece, o amido armazenado na fruta verde é convertido em açúcar, dando-lhe um sabor doce. Esse mecanismo é comparável ao modo como os frutos da banana amadurecem. O forte odor que a fruta produz torna-se perceptível quando está meio maduro. À medida que o tempo passa e a fruta continua amadurecendo, o odor se torna mais forte. Depois que fica totalmente maduro, no entanto, o perfume se deteriora rapidamente.[6]

Distribuição e crescimento[editar | editar código-fonte]

Esta planta vive nas florestas tropicais úmidas, nas planícies e montanhas do meio, no extremo sul do México e também em Belize, Honduras, Costa Rica, Guatemala, Panamá e Brasil. As sementes caem no chão, depois as mudas rastejam (fototropismo negativo) até encontrarem uma árvore na qual se fixar. As muitas raízes adjacentes permitem que a planta ancore contra seu novo suporte e atinja a luz do dossel (embora raramente cresça em pleno sol e prefira uma luz esmaecida pela folhagem). As plantas selvagens também podem ser encontradas em outras partes da América do Norte (Flórida), Ásia (Malásia, Índia), Austrália e Mediterrâneo Ocidental (Portugal, Marrocos, Madeira).

Nascimento do Broto[editar | editar código-fonte]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Monstera deliciosa é comumente cultivada ao ar livre como planta ornamental nos trópicos e subtrópicos. A planta requer muito espaço e um solo rico e solto. Se crescer no chão, é melhor plantá-lo perto de uma árvore, onde possa subir, se não contra uma treliça. É moderadamente ávida a água e precisa ser regado apenas para manter o solo um pouco úmido. Sua resistência é 11 (ou seja, a mais fria a -1°C). Ele não suporta essas temperaturas por mais de algumas horas, mas pode viver fora em certas regiões (costa do Mediterrâneo, Bretanha). É preferível uma temperatura mínima constante de pelo menos 13–15°C, permitindo crescimento contínuo. O crescimento cessa abaixo de 10°C e é morto pela geada. Ele precisa de uma exposição muito brilhante, mas não de sol pleno.

Forçar uma M. deliciosa a florescer fora de seu habitat tropical típico prova ser difícil. Condições específicas precisam ser atendidas para que a planta floresça. No entanto, em seu habitat tropical e subtropical, a planta floresce facilmente. [6] Em condições ideais, floresce cerca de três anos após o plantio. A planta pode ser propagada pegando entrenós de uma planta madura.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Naturhistoriske forening i Kjøbenhavn.; Kjøbenhavn, Naturhistoriske forening i (1849). Videnskabelige meddelelser fra den Naturhistoriske forening i Kjöbenhavn. 1849-1850. Kjöbenhavn :: Selskabets Bestyrelse, 
  2. «Ceriman». hort.purdue.edu. Consultado em 21 de junho de 2020 
  3. a b «Monstera deliciosa {Araceae} #198500876 L:4104 Q:1». web.archive.org. 12 de outubro de 2007. Consultado em 21 de junho de 2020 
  4. Barabé, Denis (1984). Volatile flavor constituents of Monstera deliciosa. Montréal.: Jardin Botanique de la Ville 
  5. Peppard, Terry (1992). Volatile flavor constituents of Monstera deliciosa. [S.l.]: Journal of Agricultural and Food Chemistry 
  6. a b c R. E.; T. H., Peters; Lee (1977). Composition and physiology of Monstera deliciosa fruit and juice. [S.l.]: Journal of Food Science.