Cultura Vicús

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
   [[Categoria:Estados extintos da América do Sul|Cultura Vicús, 500 a.C.]]


Cultura Vicús

Cultura pré-colombiana

500 a.C. – 500
Localização de Cultura Vicús
Mapa mostrando a área de influência Vicús.
Continente América do Sul
Capital Monte Vicús
Governo Não especificado
História
 • 500 a.C. Fundação
 • 500 Dissolução

Vicús foi uma cultura arqueológica do Peru Antigo que se desenvolveu entre os anos 500 a.C. e 500 d.C. na zona costeira norte do Peru , no curso inferior do rio Piura , a 7 km do distrito de Chulucanas , na província de Morropón , departamento de Piura . [1]

Sua sede administrativa, localizada no "Cerro Vicus", a uma altitude de 170 metros acima do nível do mar, esteve em contacto com outras cidades andinas localizada mais ao norte. Os vicus, conheciam as ligas de prata , ouro e cobre , usavam esses metais no desenvolvimento de suas ferramentas agrícolas. [2]

Sua cultura foi desenvolvida em três grandes etapas:

  • Estágio Chavín
  • Estágio de desenvolvimento regional
  • Estágio de influência Moche [3]

A agricultura era a base do seu desenvolvimento, com sistemas de irrigação avançados, e o principal instrumento de controle social e de exploração, apoiado por um férreo militarismo . Um forte contingente de nobres guerreiros cruzou seus domínios para impor os comandos do soberano.

Área geográfica[editar | editar código-fonte]

Vicús foi o nome de uma cultura localizada nos vales e na costa de Piura , se estendendo até norte de Lambayeque .

O nome Vicús deve-se ao nome do local onde se localiza um grande cemitério: o Cerro Vicús, a 50 km a leste de Piura e a 1.050 km ao norte de Lima.

Sua área de influência se estendia desde Tambo Grande e Salitral (parte alta do rio Piura) ao norte nas províncias de Piura, Morropon , Ayabaca , Huancabamba e, provavelmente, até as montanhas do sul do Equador.

Vicús é uma cultura que, como Paracas em sua fase inicial, é mostrada como uma expressão tardia do estágio Chavín.

Lamentavelmente a predação dos saqueadores tem sido de tal alcance, que atualmente, com os objetos encontrados, é impossível ter informação suficiente para a arqueologia proceder a uma reconstrução adequada da vida desta cidade. A perda é irreversível.

Os túmulos de botas[editar | editar código-fonte]

Perto do Cerro Vicús foram encontrados quase dois mil poços funerários, verdadeiras chaminés mortuárias com uma idade de doze a quatorze séculos. [4]

Uma das características da Cultura Vicus são precisamente essas tumbas consistindo em poços tubulares verticais de profundidade e diâmetro variados. No final do poço, há um alargamento que dá ao todo a forma de uma bota.

A profundidade dos poços varia entre 4 e 15 metros. O diâmetro varia entre 70 e 100 cm, mas normalmente é de 80 cm

Possivelmente, os túmulos mais profundos pertencem a pessoas de maior importância. Eles também são os que contêm a maior quantidade de peças de cerâmica e metal.

Geralmente o cadáver, reduzido a pó, está no fundo do túmulo, mas também pode ser localizado mais acima. Uma vez que o cadáver e os objetos que correspondiam a ele por sua classe foram colocados, o túmulo foi novamente coberto com areia. Alguns túmulos vazios foram encontrados, o que sugere que eles estavam prestes a serem ocupados e disponíveis, mas nunca foram usados.

Em vasos comuns de túmulos ou vários objetos de cerâmica, foram encontradas agulhas de cobre e pedaços de tecido.

Cerâmica Vicús[editar | editar código-fonte]

Raccolte Extraeuropee - PAM01242 - Perù - Cultura Vicus-Moche.jpg
Cultura Vicus, Perù.jpg

A cerâmica Vicús sofreu uma serie de influências durante seu desenvolvimento na fase inicial teve influencia da Cultura Chavin e em sua última fase teve grande influencia da Cultura Moche, mas entre estas duas etapas existiu um estilo puramente Vicús (Etapa de Desenvolvimento Regional), com características próprias, que para ser diferenciado, é conhecido como cerâmica Vicús-Vicus. [5]

A cerâmica é a principal fonte de informação sobre o Vicús. Em geral, sua cerâmica é caracterizada por sua aparência sólida e rústica e por sua tendência escultural realista.

Morfologicamente, as cerâmicas Vicús eram catalogadas em três tipos: [6] [7]

  • Vicús Negativo: constituída por peças com círculos, espirais e triângulos que decoravam recipientes com figuras de animais. Nas cerâmicas Vicús Negativo podemos ver representados guerreiros, músicos e cenas eróticas com figuras nuas de ambos os sexos.
  • Vicús branco sobre vermelho: é semelhante ao Vicus Negativo, pois representa vasos esculturais antropomórficos, fitomórficos e zoomórficos. Sua decoração combina aplicações, incisões e linhas brancas sobre o fundo vermelho.
  • Vicús engobados monocromático: tem uma aparência áspera, com manchas escuras devido a defeitos de cozimento. Constituído de recipientes com tripés ou pedestais em forma de sino.

Posteriormente, com base em estudos comparados entre as cerâmicas de estilo Moche, originalmente de Piura, com a observada no vale de Chicana, e as cerâmicas Vicús, foi seguindo um esquema evolutivo onde se observou dois períodos distintos, o Vicús I e o Vicús II. O primeiro período consiste em cerâmicas grosseiras, de baixa qualidade, comparadas ao seu antecessor (o estilo de Chavín ) e seu sucessor (o estilo Moche ). O segundo grupo é composto por cerâmicas com um acabamento fino e formas compatíveis com os complexos cerâmicos de Lambayeque e Virú . [6]

Eles conseguiram capturar e definir oito potes pertencente à tradição de cerâmica Vicús, numerados de um a oito. Destes, seis estão relacionados exclusivamente a peças do estilo Vicús, e dois (2 e 7) estão associados a cerâmica Moche . Por outro lado, as olarias pertencentes às tradições tecnológicas Moche e Virú são também peças que imitam o estilo Vicús ou representam personagens do repertório iconográfico de Vicús. Do ponto de vista do estilo, três fases foram identificadas: o Vicús Inicial; o Vicús Médio, dividido em dois segmentos, A e B ; e o Vicús Tardio , este também dividido em segmentos A e B . [6]


Referências

  1. Lemoy, Christian (2011). Across the Pacific: From Ancient Asia to Precolombian America (em inglês). [S.l.]: Christian Lemoy, pp. 127-128. ISBN 9781599425825 
  2. Shimada, Izumi (2010). Pampa Grande and the Mochica Culture (em inglês). [S.l.]: University of Texas Press, p. 76. ISBN 9780292787575 
  3. Salomon, Frank; Schwartz, Stuart B. (28 de dezembro de 1999). The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press, pp. 497-498. ISBN 9780521630757 
  4. Taborga, Orlando Jarillo. La Creación, el Continente Americano y la Cultura Cainiana. Tomo III (em espanhol). [S.l.]: Lulu, p.183. ISBN 9781387165353 
  5. Park, Yumi (21 de setembro de 2012). Mirrors of Clay: Reflections of Ancient Andean Life in Ceramics from the Sam Olden Collection (em inglês). [S.l.]: Univ. Press of Mississippi, pp. 22-27. ISBN 9781617038198 
  6. a b c Bernat, Gabriel. «VICUS». Culturas Pré-incaicas. Consultado em 4 de abril de 2018. 
  7. Kaulicke, Peter (2006). «The Vicús-Mochica Relationship». Springer, Boston, MA (em inglês): 85–111. ISBN 9780387289397. doi:10.1007/0-387-28940-2_5