Dêmades

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Dêmades (ca. 380 a.C.319 a.C.) foi um orador e diplomata ateniense. Nasceu numa família humilde e ascendeu até se tornar um político de influência, através dos seus discursos poderosos e de uma enorme perspicácia para entender a vontade do povo.

Logo após a destruição de Tebas por Alexandre, este enviou mensageiros a Atenas demandando a entrega de dez líderes políticos que haviam se oposto a ele; os mais proeminentes destes líderes eram Demóstenes e Licurgo.[1] Phocion, cognominado "o Bom", lembrou os sacrifícios de Leos e Jacinto,[Nota 1] lembrando que os homens deviam aceitar a morte com alegria, para salvar seu país de desastre, e chamou de covardes os que não queriam entregar suas vidas pela sua cidade.[2] Em seguida discursaram Demóstenes e Dêmades, este influenciado por um suborno de cinco talentos dos partidários de Demóstenes, e conseguiram evitar o sacrifício.[3] Uma delegação foi enviada a Alexandre, liderada por Dêmades, incluindo um pedido de ajuda a favor dos refugiados tebanos, para que Atenas pudesse dar refúgio a eles.[4] Dêmades teve sucesso nesta missão por causa da eloquência de suas palavras, e conseguiu que Alexandre perdoasse os homens, e atendesse às outras demandas dos atenienses.[5]

Cláudio Eliano conta que Dêmades propôs à Assembleia de Atenas que Alexandre fosse deificado, tornando-se o décimo-terceiro deus. Em uma atitude elogiada por Eliano, a Assembleia não aceitou esta impiedade, e ainda multou Dêmades em cem talentos.[6]

A opinião de Pausânias sobre Dêmades é ainda mais crítica que Eliano: Pausânias o classifica como traidor. Após a derrota dos gregos em Lamia,[Nota 2] [7] em que Leóstenes morreu,[8] Antípatro, para voltar logo para a Ásia, queria fazer logo a paz com gregos, sem se importar se Atenas e o resto da Grécia permanecessem livres.[7] Dêmades e outros traidores de Atenas, porém, o convenceram a não ser gentil com os gregos, e, ao colocar medo nos atenienses, foram a causa de guarnições macedônias serem colocadas em Atenas e na maioria das outras cidades.[7]


Notas e referências

Notas

  1. Tanto Leos quanto Jacinto ofereceram suas filhas como sacrifício para salvar Atenas
  2. Lamia foi o local de uma batalha, onde morreu Leóstenes; mas a batalha decisiva desta guerra ocorreu em Krannonas, na Tessália

Referências

  1. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVII, 15.1
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVII, 15.2
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVII, 15.3
  4. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVII, 15.4
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVII, 15.5
  6. Cláudio Eliano, Varia Historia, Livro V, Capítulo XII, Que Demades foi multado, por fazer um decreto que tornaria Alexadre um deus
  7. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 7.10.4
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XVIII, 13.5
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dêmades

Referências