Daeodon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaDaeodon
Ocorrência: Oligoceno superior - Mioceno Inferior: 25–19 Ma
Crânio de Daeodon shoshonensis em Carnegie Museum of Natural History
Crânio de Daeodon shoshonensis em Carnegie Museum of Natural History
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Entelodontidae
Gênero: Daeodon
Espécies
  • D. shoshonensis (tipo)
    Cope, 1878
  • D. humerosum?
    Cope, 1879

Daeodon (anteriormente Dinohyus, "terrível porco"), um dos maiores, se não o maior artiodáctilos da família Entelodontidae, que viveu 25-18 milhões de anos atrás na América do Norte durante as épocas Oligoceno superior e Mioceno inferior. A espécie-tipo é Daeodon shoshonensis, o último e maior dos entelodontes, adultos conhecidos dessa espécie possuem crânios cerca de 90 cm (3 pés) de comprimento. Ele tinha uma ampla distribuição nos Estados Unidos, mas nunca foi abundante.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Embora não especificado na descrição original do Cope, o nome Daeodon vem das palavras gregas Daios, que significa "hostil" ou "terrível" e odon, que significa "dentes".[1]

Classificação[editar | editar código-fonte]

O gênero Daeodon foi erguido pelo anatomista e paleontólogo norte-americano Edward Drinker Cope em 1878, classificou-o como um perissodactyl e pensava que estava relacionada intimamente com "Menodus".[2] Esta classificação persistiu até a publicação de "Elotherium" calkinsi em 1905.[3]

Referências

  1. Brown, R. W. (1954). Composition of scientific words: A manual of methods and a lexicon of materials for the practice of logotechnics. [S.l.]: Smithsonian Institution Press. ISBN 978-0874740011 
  2. Cope, E. D. (1878). «On some characters of the Miocene fauna of Oregon». Paleontological Bulletin. 30: 1-16 
  3. Sinclair, W. J. (1905). «New and imperfectly known rodents and ungulates from the John Day Series». Bull. Dept. Geology, Univ. California. 4: 132-134