Diário do Último Ano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diário do Último Ano
Autor(es) Florbela Espanca
Idioma português
País  Portugal
Género Autobiografia
Editora Bertrand
Formato 32 cm
Lançamento 1981

Diário do Último Ano é uma obra autobiográfica de Florbela Espanca, publicada em 1981 em Lisboa, pela Livraria Bertrand. A primeira edição foi fac-similada, acrescida de um poema sem título, encontrado num espólio do Grupo de Amigos de Vila Viçosa, é prefaciada por Natália Correia.

Florbela escreveu o seu diário no derradeiro ano da sua vida. Iniciado a 11 de Janeiro de 1930, o texto encerra-se com a data de 2 de Dezembro, com uma única frase: “e não haver gestos novos nem palavras novas!”[1]

É um texto muito curto cuja autora avisa que não é para ninguém. Entrenanto, no final do primeiro dia de confissões Florbela exprime o desejo de que uma vez alguém se venha a debruçar sobre o que ela escreveu "e realize o que não p[o]de: conhec[ê-la]" (11/Jan.).[2]

O Diário compõe-se de 32 fragmentos em forma de pequenas anotações, comentários, confidências e reflexões. Segundo Maria Lúcia Dal Farra,[3] é uma obra de natureza intermédia, visto que comporta tanto uma escrita ficcional quanto biográfica. Contém fatos da vida privada, secreta e, ao mesmo tempo, pública. É abundante em "pensamentos, emoções, puros atos de sensibilidade, de devaneios, segredos, perguntas atônitas, incursões no mistério impalpável, e ao mesmo tempo, cerrado dialogismo entre as diferentes pessoas daquela que escreve".[4]

Referências

  1. [1]
  2. M. Fátima Viegas Brauer, Karin Hopfe. „Metamorfoses do Eu: O Diário e outros Géneros Autobiográficos na Literatura Portuguesa do Século XX. In: Actas da secção 8 do Congresso da Associação Alemã de Lusitanistas. 2002. p. 131.
  3. Maria Lúcia Dal Farra. Afinado desconcerto (contos, cartas, diário). São Paulo: Iluminuras, 2001. p. 55-56.
  4. Ibidem