Diogo Fernandes de Almeida, alcaide-mor de Abrantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Diogo Fernandes de Almeida.

Diogo Fernandes de Almeida foi vedor da fazenda dos reis D. João I, D. Duarte e D. Afonso V. Foi, ainda, alcaide-mor de Abrantes, de Punhete e da Amêndoa e Senhor do Sardoal[1].

Foi igualmente reposteiro-mor de D. Duarte e D. Afonso V e membro do seu conselho[1][2].

Participou na conquista de Ceuta, no dia 21 de Agosto de 1415, ao lado de D. João I e um sem número de fidalgos portugueses. No dia 25 de Agosto desse ano foi armado cavaleiro na Mesquita Maior de Ceuta pelo então Infante D. Duarte.

Dados genealógicos[editar | editar código-fonte]

Diogo Fernandes de Almeida era filho de Fernão Álvares de Almeida e da sua segunda companheira, D. Leonor Gonçalves.

Casa-se, pela segunda vez, com Teresa Afonso Nogueira filha de Afonso Anes Nogueira, "o das leis", e de Joana Vaz de Almada, por sua vez filha de Vasco Lourenço de Almada[3].

Foi pai de Branca de Almeida, casada com Rui Gomes da Silva, 2º senhor da Chamusca.[4]

O seu herdeiro foi o seu filho Lopo de Almeida, que mais tarde ascenderia a 1º Conde de Abrantes.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALMEIDA, Andreia da Silva (2010). D. Lopo de Almeida. Memórias do 1º Conde de Abrantes. [S.l.]: Câmara Municipal de Abrantes. ISBN 9789729133435 
  • Moreno, Humberto Baquero (1980). A Batalha de Alfarrobeira. Antecedentes e Significado Histórico. II. [S.l.]: Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. ISBN 9789726160045 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.