Discussão:Mito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

"Mito não é o mesmo que fábula, conto de fadas, lenda ou saga."

Considero demasiado usado fazer tal afirmação, senão consulte:

Segundo Mircea Eliade[1]

“o mito é uma realidade cultural extremamente complexa, que pode ser abordada e interpretada em perspectivas múltiplas e complementares....o mito conta uma história sagrada, relata um acontecimento que teve lugar no tempo primordial, o tempo fabuloso dos começos...o mito conta graças aos feitos dos seres sobrenaturais, uma realidade que passou a existir, quer seja uma realidade tetal, o Cosmos, quer apenas um fragmento, uma ilha, uma espécie vegetal, um comportamento humano, é sempre portanto uma narração de uma criação, descreve-se como uma coisa foi produzida, como começou a existir...”

segundo Joseph Campbell


"Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior do nosso ser e da nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivo..."


Para o preenchimento da definição de Mito aconselho vivamente, a obra de Joseph Campbell(1904/1987), talvez começando por O PODER DO MITO[2]weslen e amanda


Utilidade do Mito segundo Freud:

"teorizar aspectos centrais da experiência humana".

Carlos Alberto C. Fernandes: Tanto o autor como Mircea Eliade, ao reduzirem o mito à criação ou aparecimento de algo, que antes não existia, reduz o conceito de MITO ao conceito de ETIOLOGIA. A Etiologia é uma forma de mito, mas nem todo mito é, necessariamente uma etiologia... pode ser uma saga, uma fábula, ou alguma outra forma literária.

Mito pode ser entendido, como na antiguidade clássica (p.ex., Platão, Aristóteles) como forma atenuada de intelectualidade, uma mera "verossimilhança", em contraste com a "verdade" mais afeita às forma da razão e do intelecto.

Entretanto, já vencida esta concepção preconceituosa, o mito é uma forma de pensamento e de organização da vida, situada em um plano diferente da lógica racional e intelectual. As verdades que expressa se colocam e organizam de modo diferenciado do discurso cartesiano. P.ex.: Narciso olha no poço, vê uma imagem refletida e se apaixona; até que resolve concretizar seu amor e mergulha: morre. Não foi sem razão que, baseado neste mito, Freud falaria sobre narcizismo.

Vejam que este mito não tem nada a falar sobre cosmogonia, soteriologia ou qualquer outro tipo de etiologia. Deixo, assim esta observação: o texto confunde MITO com ETIOLOGIA, logo, é reducionista em sua conceituação. Carlos Alberto C. Fernandes

Como se faz um mito[editar código-fonte]

"Um mito faz-se mito por ter agido de forma extraordinária, nunca em mitologia se analisa o que um herói mítico criou, mas sim o que essa figura fez e suas consequencias."