Discussão:Sucralose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Artigo tendencioso, sugiro procurar versões de outros lugares para concepção adequada da sucralose. Este texto foi uma cópia literalmente transcrita do produto denominado Linea(r), o qual comercializa a sucralose na forma diluída com acessulfame potássico.

Material tendencioso[editar código-fonte]

Sugere-se a busca por novas fontes haja visto que este texto é puramente comercial. Compostos quimicos nem mesmo estão grafados corretamente.

Artigo sem fundamento, para enganar o público sem um conhecimento do tema[editar código-fonte]

è realmente uma falácia este artigo em português e fica parecendo que foi escrito pela empresa que faz a distribuição no país. A substância em questão não é.nem nunca foi natura, pois ela foi sintetizada por dois cientistas Hough e Phadnis que trabalham no Queen Elizabeth College, logo não pode ser considerada como natural. A substância é uma versão da sacarose contendo três átomos de cloro em sua estrutura que substituíra três átomos de hidrogênio. Esta substituição confere um caráter mais doce, resistência ao calor e também não é absorvida pelo organismo, por isso, a substância não pode ser considerada calórica. Além disso outros estudos comprovaram que o uso descontrolado da substância reduz a quantidade da flora microbiológica benéfica presente no intestino, além de outros problemas.

Referências. Fraser-Reid, Bert (2012). From Sugar to Splenda: A Personal and Scientific Journey of a Carbohydrate Chemist and Expert Witness. Springer. ISBN 3642227805. Goldsmith LA (2000). "Acute and subchronic toxicity of sucralose". Food Chem Toxicol. 38 Suppl 2: S53–69. doi:10.1016/s0278-6915(00)00028-4. PMID 10882818. "Sucralose - FDA Final Rule - Food Additives Permitted for Direct Addition to Food for Human Consumption" (PDF). United States: Food and Drug Administration. Frank, Genevieve. "Sucralose: An Overview". Penn State University. Rodero, A. B.; Rodero, L. S.; Azoubel, R. (2009). "Toxicity of sucralose in humans: a review" (PDF). Int. J. Morphol. 27 (1): 239–244. doi:10.4067/s0717-95022009000100040.